A seleção portuguesa de futsal entrou em falso na nova temporada, com uma derrota caseira diante de Espanha por 2-1, no primeiro de dois jogos particulares. A partida ficou marcada pelo desacerto ofensivo dos pupilos de Jorge Braz.

Num Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos lotado, o fixo João Matos colocou os campeões europeus em vantagem, aos dois minutos, mas a formação comandada por Fede Vidal, segunda colocada do ‘ranking’ mundial, reverteu o marcador com um remate certeiro em cada parte, por intermédio de Aicardo, aos cinco, e Adolfo Fernández, aos 29.

Portugal, que somou o 22.º desaire em 28 duelos com Espanha, volta a receber a ‘roja’ na terça-feira, no encontro que antecede a qualificação para o Mundial2020 da Lituânia, patamar em que as ‘quinas’ medirão forças com Letónia, Alemanha e República Checa no Grupo 8 da zona europeia, em Viseu, entre 22 e 27 de outubro.

Para a reedição da final do último Campeonato da Europa (vitória lusa por 3-2, após prolongamento), o técnico Jorge Braz apostou num ‘cinco’ inicial composto por Vítor Hugo, Pedro Cary, João Matos, Ricardinho e Bruno Coelho.

O duelo ibérico teve um início frenético, com Portugal a inaugurar o marcador no segundo minuto, por João Matos, após trabalho individual do capitão Ricardinho.

Os campeões europeus ameaçaram o segundo tento logo de seguida, numa tentativa de Fábio Cecílio travada pelo guarda-redes Juanjo, mas viriam a conceder o empate aos cinco minutos, num livre cobrado por Aicardo e desviado por Juan Emílio, que enganou a barreira lusa e o guardião Vítor Hugo.

O encontro continuou numa toada de equilíbrio, embora com ligeira superioridade portuguesa, que assentou as suas ações ofensivas num jogo fluído e agressivo na reação à perda, tendo Nílson atirado ao lado (08) e Bruno Coelho desviado de calcanhar para defesa de Juanjo.

Na etapa complementar, Jorge Braz e Fede Vidal trocaram os guarda-redes e o ritmo da partida decaiu gradualmente, apesar da maior contundência portuguesa no ataque: João Matos falhou na cara de Jesús Herrero (22), quatro minutos antes de o recém-entrado guarda-redes Inter Movistar animar as hostes com uma dupla-defesa a remates de André Coelho e Tiago Brito.

Portugal pagou caro a ineficácia à passagem dos 29, quando Adolfo Fernández concluiu com um remate cruzado um rápido contra-ataque iniciado nas mãos de Herrero e desenvolvido por Carlos Ortiz, dando a volta aos acontecimentos.

As ‘quinas’ responderam com novo volume de oportunidades desperdiçadas diante de Jesús Herrero, desta feita por Pedro Cary, que tentou abrilhantar a sua 125.ª internacionalização com um golo (31), e pelo espanhol Marc Tolrà, que esteve perto de fazer autogolo.

A ‘roja’ respondeu com um livre direto de Raúl Campos, que abanou o poste direito da baliza de André Sousa (35), sendo que Jorge Braz arriscou o cinco contra quatro nos últimos três minutos, colocando Cary como guarda-redes, mas não logrou o empate.

Jogo no Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos, em Matosinhos.

Portugal – Espanha, 1-2.

Ao intervalo: 1-1.

Marcadores:

1-0, João Matos, 02 minutos.

1-1, Aicardo, 05.

1-2, Adolfo Fernández, 29.

Equipas:

  • Portugal: Vítor Hugo, Pedro Cary, Bruno Coelho, João Matos e Ricardinho. Jogaram ainda André Sousa, André Coelho, Miguel Ângelo, Nílson, Fábio Cecílio, Márcio, Pany Varela, Tiago Brito e Tunha.

Treinador: Jorge Braz.

  • Espanha: Juanjo, Carlos Ortiz, Ángel Velasco ‘Lin’, Rafa Usín e Raúl Campos. Jogaram ainda Jesús Herrero, Marc Tolrà, Rafael García ‘Bebé’, Aicardo, Francisco Solano, Adolfo Fernández, Fernando Sancho ‘Fernan’, Andrés Alcántara ‘Andresito’ e Juan Emílio.

Treinador: Fede Vidal.

Árbitros: Miguel Castilho (Portugal) e Filipe Duarte (Portugal).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Ángel Velasco ‘Lin’ (29).

Assistência: 3.875 espetadores.