O navio humanitário “Ocean Viking”, ao serviço das organizações Médicos Sem Fronteiras e SOS Mediterrâneo, teve autorização para desembarcar no porto de Messina, na Sicília, Itália, os 182 migrantes que tem a bordo, anunciou no domingo a SOS Mediterrâneo.

A organização francesa revelou que obteve autorização das autoridades italianas para fazer desembarcar naquele porto os 182 migrantes que tem a bordo há cinco semanas, entre as quais uma grávida e seis crianças.

Em agosto, o “Ocean Viking” esteve duas semanas no Mediterrâneo com 356 migrantes a bordo, resgatados em várias operações até que seis países, incluindo Portugal, concordaram com o desembarque e respetivo acolhimento.

Na altura, a Médicos Sem Fronteiras pediu aos países da União Europeia para estabelecerem um mecanismo permanente de resgate dos migrantes que navegam no Mediterrâneo para que se evitem pactos pontuais para cada situação.

Em 14 de setembro a organização conseguiu que 82 migrantes que estavam a bordo do navio humanitário pudessem desembarcar em Lampedusa, ainda que o centro de acolhimento nesta pequena ilha italiana esteja à beira do colapso.

Atualmente abriga cerca de 300 migrantes, quando tem capacidades para cerca de 90, asseguram os meios de comunicação italianos.