O Porto está repleto de barbearias modernas a puxar o lado mais americano do negócio, mas nem por isso as casas mais antigas esmoreceram ou perderam o fôlego, até porque o público masculino está cada vez mais vaidoso e exigente. É na garagem Passos Manuel, homónima da rua, que mora provavelmente a barbearia mais escondida do Porto, construída em 1938. “Este era um edifício modernista com vários serviços disponíveis, como banhos públicos, uma papelaria e uma barbearia”, conta ao Observador Daniel Pires, o responsável. Desde que inaugurou os Maus Hábitos – Espaço de Intervenção Cultural, em 2001, que Daniel é cliente deste espaço vizinho. “Disse ao dono que caso um dia se quisesse ver livre disto para me dizer.” E assim foi.

“Peguei nisto não porque está na moda, mas porque não quero ver uma coisa destas desaparecer. Acho que o espaço representa muito bem o espírito do Porto.”

Com apenas três cadeiras de barbeiro, paredes almofadadas em ponto de capitonê, paredes em madeira e uma claraboia restaurada, o espaço pequeno, luminoso e acolhedor atualizou-se e promete dar mais nas vistas. Na decoração destacam-se os espelhos típicos dos anos 70, um mini bar e uma vitrina com objetos antigos, entre pincéis, lâminas, pentes e alguma publicidade.

Do corte de cabelo ao design da barba, com máquina, navalha e toalha quente, são vários os serviços disponíveis para homem, havendo também espaço para mulheres e crianças. Daniel Viana é um dos barbeiros em ação que trabalha com várias marcas especialistas na matéria, que pode usar dentro de portas ou levar produtos para casa, entre elas a portuense Le Beard.

A experiência inclui ainda uma playlist escolhida a dedo, uma bebida na mão e um monte de revistas e jornais sobre a agenda cultural da cidade para ir devorando enquanto espera pela sua vez. Associar a barbearia à dinâmica da rua, conhecida pelo Cinema Passos Manuel e pelos Maus Hábitos, mas também conquistar um novo público, adepto do old fashion e do circuito musical portuense, são alguns objetivos de Daniel Pires, que aposta no horário de funcionamento alargado, na oferta de bebidas e na relação de proximidade com músicos. “No futuro até podemos ter música ao vivo”, adiantou ao Observador.

Rua Passos Manuel, 178. 91 917 8178; segunda a quarta, das 10h às 19h; quinta e sexta, das 12h às 22h; sábado, das 10h às 19h