Tradicionalmente, sempre que um condutor é apanhado a infringir o limite de velocidade, segue-se o pagamento de uma multa. Porém, nem sempre esta reprimenda financeira provoca a desejada reacção, com a maioria dos condutores a voltar a prevaricar, muitos deles à primeira oportunidade.

Tendo em conta esta realidade, a polícia estónia encontrou uma solução que parece ser mais eficaz, enquanto simultaneamente não pesa tanto no orçamento do condutor. De acordo com a Err, a estação pública de televisão local, as autoridades passaram a obrigar os condutores mais apressados a um período de “meditação” forçado quando são apanhados acima do limite de velocidade, em vez de os multarem de imediato.

Quando “caçado” a circular até 20 km/h acima do limite, os condutores são convidados a fazer um intervalo de 45 minutos, em alternativa à multa tradicional, com o tempo de espera à beira da estrada a subir para 60 minutos se a infracção oscilar entre 21 e 40 km/h.

Esta medida, que visa encontrar novas formas de consciencializar os condutores, só está acessível a quem nunca foi multado por excesso de velocidade. Segundo a polícia, um período de reflexão e de conversa com os agentes no local é mais eficaz como chamada de atenção do que avançar directamente para a autuação.