A Porsche produz excelentes veículos, sólidos, potentes e com comportamento eficaz, que agradam aos condutores que gostam de emoções fortes. Ou pelo menos de veículos que as podem proporcionar, caso o desejem. A Tesla já demonstrou que quer uma fatia importante desse mercado, ao estar a desenvolver uma versão especial do Model S, que denomina Plaid, com mais um motor traseiro e um chassi mais largo e eficaz. Agora é a vez da Jaguar.

Se a Tesla produz carros eléctricos há muito (desde 2008, o Roadster e, depois de 2012, o Model S), a Jaguar foi o segundo fabricante a enveredar pela aventura eléctrica no segmento de luxo, ao surgir com o seu I-Pace em meados de 2018. Como recentemente se tornou óbvio que há clientes para eléctricos mais emocionantes, rápidos e eficazes em curva, mercado que tradicionalmente pertence à Porsche, rapidamente a Tesla decidiu que também quer uma fatia, sobretudo depois de provar que o seu Model S Plaid pode ser mais rápido do que a berlina germânica em Nürburgring.

Não bastassem as dores de cabeça já causadas pelo fabricante norte-americano à Porsche, eis que surge a Jaguar a pretender alegar que também o I-Pace pode rivalizar com os melhores do mercado, em matéria de eficácia e de prazer ao volante. Para isso, o fabricante britânico prepara-se para lançar uma versão I-Pace SVR, desenvolvida pela Jaguar Special Vehicle Operations (SVO).

Não abundam os dados técnicos sobre o modelo, mas tudo indica que o mais provável é que faça crescer os actuais 408 cv para mais de 500 cv, devendo manter a bateria com 95 kWh de capacidade. Afirmam os responsáveis da Jaguar que “aprenderam muito com o I-Pace eTrophy – que acompanha as provas de Fórmula E –, tanto na gestão de energia como na refrigeração da bateria e, até, em matéria de chassi”, o que os coloca em boas condições para conceber uma versão mais desportiva do SUV eléctrico.