A polícia de Hong Kong alertou esta segunda-feira par o facto de que a cidade poderá atravessar uma situação de perigo na terça-feira, já que novos protestos pró-democracia estão a ser planeados para o 70.º aniversário da fundação da República Popular da China.

“Estimamos que a situação amanhã (terça-feira) será muito, muito perigosa”, disse o principal responsável de polícia, John Tse, aos jornalistas.

Os manifestantes radicais estão a aumentar o seu nível de violência. A profundidade e a amplitude da sua violência e os seus planos mostram que estão cada vez mais envolvidos em atos de terrorismo”, acusou Tse.

Hong Kong, que atravessa desde junho a sua pior crise política após o seu retorno ao domínio da China em 1997, foi palco de sérios confrontos no domingo entre polícias e radicais que atearam fogo a muitas barricadas nos bairros centrais da cidade.

Os protestos acontecem quase diariamente há cerca de quatro meses em Hong Kong e os manifestantes pedem reformas democráticas na ex-colónia britânica.

Entretanto, as tensões aumentaram nos últimos dias com a proximidade das celebrações na China continental do 70.º aniversário da fundação do regime comunista, que ocorrem na terça-feira.