Quase 360 pessoas morreram nas estradas portuguesas nos primeiros nove meses do ano, um valor inferior ao registado em igual período no ano passado, segundo os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

A informação disponível no site da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) relativa ao período de entre 1 de janeiro e 30 de setembro deste ano indica que morreram nas estradas portuguesas 359 pessoas, menos 16 do que em igual período de 2018, apesar do número de acidentes ter aumentado para 97.627 (mais 456), assim como os feridos graves (passou de 1.582 para 1.672).

Os dados da ANSR referem-se a óbitos que ocorrem no local do acidente ou durante o respetivo transporte até à unidade de saúde e os valores relativos aos feridos graves são referentes a vítima de acidente cujos danos corporais obriguem a um período de hospitalização superior a 24 horas.

O balanço periódico de sinistralidade, que reúne dados da GNR e da PSP, indica igualmente que na última semana de setembro (entre os dias 22 e 30) morreram nas estradas 59 pessoas e 13 ficaram gravemente feridas.

Nos primeiros nove meses do ano, o distrito que mais mortes nas estradas registou foi o de Lisboa (37), seguido do Porto (35), Braga (31), Santarém (28), Coimbra (27) e Beja (26). Lisboa também lidera no número de feridos graves (236), seguida de Santarém (158) e Porto (155).

O número de acidentes entre 1 de janeiro de 30 de setembro foi maior no distrito de Lisboa (19.188, menos 29 do que em 2018), seguido do Porto (17.504, menos 27).

O relatório anual de segurança rodoviária de 2018 indica que se registaram 34.235 acidentes com vítimas, de que resultaram 508 mortos (no local do acidente ou durante o transporte até ao hospital), 2.141 feridos graves e 41.356 feridos ligeiros.

Em relação a 2017, a ANSR sublinha que se registaram menos 181 acidentes com vítimas (-0,5%), menos duas vítimas mortais (-0,4%), menos 57 feridos graves (-2,6%) e menos 431 feridos leves (-1,0%).

O relatório de 2018 da ANSR relativo aos mortos a 30 dias, indica, no entanto, que se registaram 675 vítimas mortais, o número mais elevado desde 2012. Já em 2017, o número de mortos a 30 dias aumentou 12,1% no ano passado, mais 73 vítimas mortais.