O selecionador nacional Fernando Santos anunciou ao final da manhã desta quinta-feira, na Cidade do Futebol, os convocados de Portugal para os próximos dois compromissos de qualificação para o Campeonato da Europa de 2020, frente a Luxemburgo (dia 11, 19h45, em Alvalade) e Ucrânia (dia 14, 19h45, em Kiev).

Rúben Semedo, central do Olympiacos, e Ricardo Pereira, lateral do Leicester, foram as grandes surpresas da lista anunciada, que promoveu também os regressos de João Mário (Lokomotiv), Bruma (PSV) e André Silva (Eintracht Frankfurt). Comparando com a última convocatória, João Cancelo, Daniel Carriço, Renato Sanches, Diogo Jota e Podence ficam agora de fora dos eleitos anunciados por Fernando Santos.

Rúben Semedo: ascensão e queda em quatro momentos-chave da vida do miúdo do Benfica que foi parar ao Sporting

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Entre elogios à qualidade do Luxemburgo, primeiro adversário de Portugal no estádio José Alvalade (até pelos resultados que já conseguiu nesta fase de qualificação), Fernando Santos explicou a chamada de Rúben Semedo com a temporada que o central está a fazer no Olympiacos – recordando que não foi opção na última convocatória também por questões físicas – e fez uma acérrima defesa de Bernardo Silva, a propósito da acusação de conduta imprópria por um alegado comentário racista com Mendy. “É um absurdo completo. O Bernardo é dos jogadores que conheço com maior caráter humano e social. Ele não merece isto”, destacou. “Acho que não é por um percalço que acontece na vida que as pessoas não têm direito a viver e a seguir o seu caminho. O Rúben Semedo soube reagir, soube estar, está a fazer uma prova muito boa no Olympiacos. Na última vez esteve perto da convocatória, mas por lesão não foi chamado. Seguramente já ultrapassou isso”, tinha referido antes sobre a escolha do central de 25 anos.

Uma brincadeira entre amigos que correu mal: Bernardo Silva acusado de conduta imprópria por tweet sobre Mendy

A lista de 25 convocados para os encontros com Luxemburgo e Ucrânia é a seguinte:

Guarda-redes: Rui Patrício (Wolverhampton), Beto (Goztepe) e José Sá (Olympiacos);

Defesas: Nelson Semedo (Barcelona), Ricardo (Leicester), José Fonte (Lille), Pepe (FC Porto), Rúben Dias (Benfica), Rúben Semedo (Olympiacos), Mário Rui (Nápoles) e Raphael Guerreiro (B. Dortmund);

Médios: Danilo Pereira (FC Porto), Rúben Neves (Wolverhampton), William Carvalho (Betis), Bruno Fernandes (Sporting), João Mário (Lokomotiv), João Moutinho (Wolverhampton) e Pizzi (Benfica);

Avançados: Bruma (PSV), Bernardo Silva (Manchester City), Gonçalo Guedes (Valencia), Rafa (Benfica), André Silva (Eintracht Frankfurt), Cristiano Ronaldo (Juventus) e João Félix (Atl. Madrid).

Em caso de vitória nestes dois jogos, a Seleção Nacional pode ascender ao primeiro lugar do grupo que, nesta altura, pertence à Ucrânia com 13 pontos em cinco encontros, contra oito de Portugal em quatro partidas. A Sérvia ocupa nesta fase o terceiro posto com sete pontos em cinco jogos, sendo que os dois primeiros do grupo têm qualificação direta para a fase final do Europeu e o terceiro terá de realizar um playoff de apuramento.

Cristiano Ronaldo tem ketchup para dar e vender e uma missão (pouco) impossível para cumprir (a crónica do Lituânia-Portugal)

Na última concentração, quando Portugal venceu fora Sérvia e Lituânia, os 25 eleitos tinham sido os seguintes: Rui Patrício, Beto, José Sá; Nelson Semedo, João Cancelo, Pepe, José Fonte, Rúben Dias, Daniel Carriço, Raphael Guerreiro, Mário Rui; William Carvalho, Danilo Pereira, João Moutinho, Rúben Neves, Renato Sanches, Bruno Fernandes, Pizzi; Bernardo Silva, Podence, Gonçalo Guedes, Rafa, Diogo Jota, João Félix e Ronaldo.

Ronaldo ainda bate os recordes possíveis aos 34 anos. O impossível, esse, está cada vez mais perto