Três pessoas associadas ao narcotráfico no Porto espancaram uma mulher e abandonaram-na numa rua de Matosinhos, em ajuste de contas motivado pelo desaparecimento de uma bolsa com droga, acusou o Ministério Público (MP). Em causa estão crimes de sequestro, ofensa à integridade física qualificada, coação e tráfico de estupefacientes.

Citado esta quarta-feira numa nota da Procuradoria Distrital do Porto, o MP de Matosinhos imputa os crimes a dois homens e a uma mulher que se dedicariam ao tráfico de droga a partir de uma casa no Bairro Pinheiro Torres, no Porto, e que atuaram “em colaboração de outras duas mulheres, não identificadas”.

Segundo o processo, em 1 de julho de 2016 os três arguidos pediram à sua antiga empregada doméstica “que lhes guardasse por três dias uma bolsa de mão contendo produto estupefaciente ainda não cortado”. A mulher acedeu, mas, mais tarde, deu a droga como desaparecida.

Não convencidos, os arguidos decidiram optaram por espancar a mulher “até que devolvesse a droga ou dissesse o que lhe fizera”, afirma o MP. O plano foi executado na noite seguinte, quando a vítima “foi recolhida na sua casa” e “forçada a entrar num veículo automóvel”, acabando por ser levada para locais periféricos do Porto, de Crestuma (Vila Nova de Gaia) até Leça do Balio (Matosinhos).

A mulher, relata a acusação, foi “arrastada para o exterior do veículo, pontapeada e socada em todo o corpo, golpeada com uma chave de parafusos de pneus, atingida com um pau até este partir e visada com uma faca que lhe foi encostada ao pescoço”.

A vítima, “que por várias vezes perdera os sentidos (…) foi deixada à sua sorte” na Travessa de Recarei, Matosinhos, pelas 6h00 de 3 de julho seguinte.