Dois colaboradores de Rudy Giuliani, o advogado do presidente norte-americano, Donald Trump, foram detidos esta quarta-feira por suspeitas de violarem as regras de financiamento da campanha para as presidenciais de 2016, avança o The Washington Post esta quinta-feira.

Em causa estão os fortes indícios de que Lev Parnas e Igor Fruman terão participado num “esquema para canalizar dinheiro estrangeiro para candidatos a cargos federais e estaduais”, lê-se da acusação citada pelo jornal. O objetivo seria, depois, “exercer influência sobre os candidatos, campanhas e os governos dos candidatos “.

O procurador Geoffrey Berman especificou esta tarde que os dois suspeitos terão contribuído com 325 mil dólares para um grupo político dos EUA identificado como Comité-1 — embora a contribuição não tenha sido feitas nos seus nomes, mas no nome de uma empresa.

Ambos os suspeitos, que ajudaram o advogado Rudy Giuliani a pressionar a Ucrânia a investigar Joe Biden — um pedido que o próprio Donald Trump fez ao presidente ucraniano, Volodymr Zelensky — vão ser ouvidos esta quinta-feira, num tribunal do estado norte-americano da Virgínia.

A detenção aconteceu no aeroporto de Dulles, nos arredores de Washington, por volta das 23h00. Os dois colaboradores estariam a tentar fugir do país.

Questionado pela CNN, o advogado de Trump explicou que “neste momento” não pode comentar o caso.