Os guardas prisionais iniciam esta sexta-feira um novo período de greve de quatro dias, depois de terem realizado três paralisações em setembro, num protesto convocado pelo Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP).

Segundo o sindicato, a greve vai começar às 16h de sexta feira e termina às 9 de segunda-feira. Os guardas prisionais exigem um regime de avaliação de desempenho mais justo, aumento do quadro de pessoal, promoções, respeito integral da lei no que respeita à saúde e segurança no trabalho e recuperação do tempo de serviço congelado.

O cumprimento da lei relativamente ao trabalho prestado aos feriados e o preenchimento de todas as vagas existentes na categoria profissional, principalmente nas categorias superiores, são outras reclamações dos guardas prisionais.

O presidente do SNCGP, Jorge Alves, avançou à agência Lusa que está já marcada outra greve para 18 a 21 de outubro. “É o mesmo governo com os velhos problemas e a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais é a mesma desde o início do ano”, disse Jorge Alves.

Esta vai ser a quarta paralisação dos guardas prisionais desde setembro.