A bolsa nova-iorquina fechou esta quinta-feira em alta, com os investidores esperançados que as negociações comerciais entre os EUA e a China conduzam pelo menos a um acordo parcial.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average valorizou 0,57%, para os 26.496,67 pontos.

Da mesma forma, o tecnológico Nasdaq ganhou 0,60%, para as 7.950,78 unidades, e o alargado S&P500 apreciou 0,64%, para as 2.938,13.

Apesar de as tensões comerciais estarem a pesar sobre o crescimento da economia internacional, “os investidores agitaram-se muito com o aproximar das negociações” sino-norte-americanas, afirmou Art Hogan, da National Holdings.

Como acordado, o representante dos EUA para o comércio (USTR, na sigla em inglês) e principal negociador norte-americano, Robert Lighthizer, o secretário norte-americano do Tesouro, Steven Mnuchin, reuniram-se esta quinta-feira em Washington com o vice-primeiro-ministro Liu He.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou que ele próprio se ia reunir com Liu He, na Casa Branca, na sexta-feira, para procurar sair do impasse nas negociações.

Mas a incerteza é total, perante a quantidade de temas em disputa. Para Art Hogan, “a simples ausência de más notícias é considerada pelos investidores como uma boa notícia”.

Os investidores, segundo este analista, “esperam que se chegue a acordo, mesmo que limitado, o que permitiria declarar uma espécie de trégua, com por um lado o Governo norte-americano a renunciar a aplicar tarifas alfandegárias suplementares e, por outro, o Governo chinês a comprometer-se a comprar mais produtos agrícolas”.

Os indicadores macroeconómicos do dia sobre a economia norte-americana revelaram-se mitigados. Os preços no consumidor em setembro ficaram estáveis, quando os analistas esperavam uma ligeira subida, mantendo-se na média anual de 1,7%. As inscrições semanais no subsídio de desemprego, para surpresa dos analistas, recuaram.