A ANA Aeroportos revelou este sábado que abriu um inquérito junto da transportadora aérea TAAG, e da sua empresa de assistência, devido ao avião daquela companhia que “saiu de calços” e deslizou até terra no Aeroporto do Porto.

Numa declaração escrita enviada à Lusa, a ANA, que gere os aeroportos nacionais, observa que as razões que levaram o avião da TAAG a sair de calços no Aeroporto Francisco Sá Carneiro “terão que ser esclarecidas pelo inquérito que está a ser realizado junto da companhia aérea e da sua empresa de assistência”.

De acordo com a ANA, incidente não causou problemas nem prejudicou a operação no aeroporto.

“Confirmamos ocorrência de um incidente com avião da TAAG. O incidente não teve consequências e a operação está a correr com normalidade”, afirma a ANA.

Também a transportadora aérea a que pertencia o avião, a TAAG, anunciou que também está a investigar a origem do incidente e relembrou que não houve “quaisquer danos a terceiros”. No entanto, a transportadora angolana reconhece em nota enviada às redações, e citada pela TSF, que o evento “merece investigação de segurança operacional”. Por essa razão, a TAAG abriu um inquérito para “aferir aeronavegabilidade da aeronave e o que esteve na base da ocorrência”, prometendo divulgar as conclusões da investigação assim que esta estiver terminada.

Num comunicado enviado às redações, a TAAG referiu que uma das aeronaves da companhia (tipo B 777 — 300 ER), que operava a rota Luanda/Porto, sofreu “um evento que merece investigação de segurança operacional”.

O Jornal de Notícias refere, na sua edição eletrónica, que um avião da TAAG estacionado na placa do Aeroporto Sá Carneiro deslizou até uma zona de terra este sábado de manhã.

O diário diz que “a aeronave ficou destravada e, durante a manhã, deslizou, sem que ninguém se apercebesse”, acrescentando que “alguém se esqueceu de colocar calços nas rodas do avião”, fazendo com que “deslizasse até uma zona de terra”.

A TAAG confirma que se trata de um avião B777 — 300 ER, que fazia a rota Luanda-Porto. O incidente ocorreu já depois do “desembarque em segurança dos passageiros e da tripulação”, por volta das 9h.