Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A qualificação foi diferente, os intérpretes principais também mudaram mas o Grande Prémio do Japão acabou com os do costume na frente e desta vez com uma das questões do título já resolvidas: com a vitória de Valtteri Bottas e o terceiro lugar de Lewis Hamilton, a Mercedes assegurou a sexta vitória consecutiva nos construtores, repetindo um feito que pertencia à Ferrari, curiosamente a grande rival ao longo da presente época.

Ainda assim, o resultado da corrida teve pouco a ver com o que se tinha visto na qualificação, apenas quatro horas antes do arranque por causa do tufão Hagibis que cancelou todos os eventos desportivos no Japão este sábado (incluindo dois jogos do Mundial de râguebi). Aí, a Ferrari dominou e voltou a conseguir os dois primeiros lugares da grelha com Sebastian Vettel e Charles Leclerc, seguidos dos dois pilotos da Mercedes.

Na corrida, tudo mudou: Vettel falhou a saída, Leclerc ficou com o carro danificado num toque com Verstappen (que deixou o holandês crítico não só com o movimento do monegasco mas também com a organização, por não ter investigado o acidente) e Bottas agarrou na liderança da prova até ao triunfo, naquele que foi o primeiro triunfo da temporada desde o Azerbaijão, há mais de seis meses. Assim, a única “surpresa” acabou mesmo por ser a forma como Hamilton não conseguiu mais uma dobradinha para a Mercedes, ficando atrás de Vettel.

Assim, quando estamos a quatro corridas do final do Mundial de 2019 (México, Estados Unidos, Brasil e Abu Dhabi), Hamilton mantém a liderança da classificação geral com 337 pontos, mais 53 do que o companheiro de equipa Bottas, o único piloto que poderá ainda rivalizar com o sexto título de sempre do britânico.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR