A presidente da Câmara de Turismo da China disse esta segunda-feira que “90% dos trabalhadores do turismo perderam empregos ou rendimentos” em Hong Kong nos mais de quatro meses de protestos marcados pela violência entre polícia e manifestantes. Wang Ping afirmou que “90% dos trabalhadores do turismo [em Hong Kong] perderam os empregos ou rendimento” e que “muitas empresas têm fechado portas” por causa da violência que se regista desde 9 de junho, quando os protestos pró-democracia começaram na ex-colónia britânica.

“Como é que eles vão sustentar as suas famílias?”, questionou a responsável num discurso feito durante o Fórum de Economia de Turismo Global (GTEF, na sigla em inglês), em Macau, defendendo que “é preciso paz para garantir o desenvolvimento económico”, em especial no setor do turismo.

Ping sustentou também que a guerra comercial entre a China e os estados Unidos tem tido um impacto no turismo mundial. Por outro lado, assinalou, “o mundo não está pronto” para os 400 milhões de chineses que constituem a classe média daquele país, reiterando a importância do setor do turismo, que “pode resolver os problemas de emprego e erradicar a pobreza no mundo”.

A saúde e o bem-estar são o pano de fundo desta edição, que irá reunir no território vários ministros do desporto, da cultura e do turismo, líderes empresariais globais e especialistas do setor. O GTEF conta com mais de dez mil participantes de 89 países e regiões.