O Conselho de Saúde da Confederação Empresarial de Portugal manifestou esta terça-feira preocupação com o défice do Serviço Nacional de Saúde e defendeu o aumento do orçamento do SNS em 500 milhões de euros.

Em comunicado, o Conselho Estratégico Nacional da Saúde (CNES) considera o défice do SNS em 2018 com um valor “surpreendentemente elevado” e entende que “aumenta as razões de preocupação sobre os números de 2019”, exigindo “uma tomada de medidas para 2020”. Segundo dados oficiais divulgados na sexta-feira, o SNS apresentou em 2018 um prejuízo de 848 milhões de euros, um agravamento face ao ano anterior em cerca de 502 milhões de euros.

O subfinanciamento crónico do SNS tem impactos negativos no acesso dos cidadãos à saúde, na organização dos serviços e na motivação dos profissionais”, indica o Conselho de Saúde da Confederação Empresarial de Portugal – CIP.

No momento em que está em preparação um novo programa de Governo e em elaboração o Orçamento do Estado para 2020, o Conselho Estratégico da CIP pede que se assuma “a saúde como desígnio nacional”. A proposta desta estrutura passa por inscrever no Orçamento do Estado para 2020 uma que reforce o SNS em pelo menos 500 milhões de euros.

O orçamento de Estado deste ano de 2019 atribuiu ao Ministério da Saúde mais 520 milhões de euros face ao estimado para 2018, num total que ascendia a quase 10.922 mil milhões de euros. Apenas para o SNS foram transferidos mais 201 milhões de euros do que no ano anterior, mais 2,3% do que o valor estimado do Orçamento de 2018.