460kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Hospital Garcia de Orta. Urgência pediátrica já reabriu mas no fim de semana poderá voltar a encerrar

Este artigo tem mais de 2 anos

Depois de mais uma noite encerrada, urgência pediátrica do Garcia de Orta já reabriu. Presidente do CA diz que o problema está resolvido mas só até sexta-feira: "Não há pediatras em Portugal".

i

MÁRIO CRUZ/LUSA

MÁRIO CRUZ/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pela segunda vez em três noites, as urgências pediátricas do Hospital Garcia de Orta, em Almada, voltaram a estar encerradas esta segunda-feira à noite, por não haver médicos suficientes para garantir as escalas de serviço. Cerca das 9h desta terça-feira o serviço voltou a funcionar, depois de uma reunião matinal que juntou, disse ao Observador fonte do hospital, administração e equipa médica.

O problema está resolvido, disse entretanto aos jornalistas Luís Amaro, presidente do Conselho de Administração do hospital, mas apenas até à próxima sexta-feira: “Por consenso com o serviço ficou assegurado que as escalas de segunda a sexta-feira vão ser asseguradas pelo próprio serviço. Estamos a trabalhar e em conversações com a União das Misericórdias para encontrar soluções para o fim de semana”.

Garantindo que a falta de pediatras que está a afetar o funcionamento das urgências do Garcia de Orta é “estrutural” e comum a todos os restantes hospitais do país — “Não há pediatras em Portugal” —, Luís Amaro explicou que estão em curso negociações com o Ministério da Saúde e com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo para que seja viabilizada a contratação de novos médicos. Não disse quantos profissionais serão contratados ou de quantos pediatras mais necessitará o serviço para funcionar, mas avançou que desde 2017 foram 13 os médicos que abandonaram o hospital.

De acordo com a emissão da SIC, durante a noite desta segunda-feira quatro crianças que ali acorreram terão sido encaminhadas para outros hospitais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois de o serviço ter encerrado no sábado à noite, com os doentes a serem desviados para os hospitais, na margem norte do Tejo, de Santa Maria e D. Estefânia, e de o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, ter considerado a situação “uma falência do Ministério da Saúde e do Estado”, a Comissão de Utentes da Saúde do Concelho do Seixal juntou-se ao coro de protestos. Durante a última madrugada, publicou um comunicado no Facebook a manifestar uma “profunda preocupação com a falta de médicos que garantam as escalas de Urgência Pediátrica do Hospital Garcia de Orta” e a acusar o governo de António Costa de, nos últimos quatro anos, nada ter feito para resolver o problema da falta de médicos e do desinvestimento na saúde, tendo-se limitado a “uma autêntica panóplia de medidas paliativas e sem efeito”.

Na passada sexta-feira o Sindicato dos Médicos da Zona Sul já tinha alertado para a possibilidade de encerramento noturno da urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta: “A proposta dos colegas de pediatria é muito clara: têm que deixar de fazer bancos de urgência à noite, porque só sete pediatras é que fazem urgência e, desses sete, só quatro têm menos de 55 anos [e fazem noites]”, disse à agência Lusa o presidente do sindicato, João Proença.

Segundo este responsável sindical, há uma grande carência de pediatras neste hospital de Almada, no distrito de Setúbal, o que faz com que os médicos ao serviço se encontrem “exaustos” por terem que fazer banco de urgência “dia sim, dia não”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.