Um homem com 58 anos foi detido esta terça-feira na Holanda acusado de ter fechado cinco jovens numa adega durante nove anos, jovens que estavam convencidos de que eram os últimos seres humanos vivos na face da Terra. O homem poderá ser pai dos jovens, embora a polícia tenha, mais recentemente, garantido que não existe ligação familiar. As pessoas foram encontradas numa quinta perto da vila de Ruinerworld, em Drenthe, e viviam em isolamento completo, alegadamente à espera do fim do mundo.

O grupo foi descoberto depois de um dos jovens, o que terá agora 25 anos, ter saído da casa — com um ar abandonado e desgrenhado — e visitado um bar numa vila próxima, onde bebeu cinco cervejas e começou a falar com as outras pessoas, escreve o The Guardian.

Ele parecia confuso (…) Começou a falar. Disse que tinha fugido e precisava de ajuda, e que nunca tinha ido à escola. Chamámos a polícia”, contou o dono do bar, Chris Westerbeek, em entrevista à RTV Drenthe.

A RTV Drenthe relata que foi graças aos legumes de uma horta e ao leite de uma cabra que o grupo se manteve vivo. Os jovens, agora entre os 18 e os 25 anos, não faziam ideia da existência de outras pessoas no mundo. A BBC acrescenta que não é claro se os jovens estavam na casa detidos contra a sua vontade e que o homem mais velho, que foi detido, terá sofrido um enfarte e estava acamado desde então.

Segundo alguns relatos na imprensa holandesa, o homem foi identificado como um austríaco chamado Josef B, sem emprego fixo que apenas teria feito alguns trabalhos manuais na região. A imprensa local adiantou ainda que o homem fará parte da Igreja da Unificação, um culto criado por Sun Myung Moon na Coreia do Sul.

A RTV Drenthe acrescenta que a polícia encontrou umas escadas escondidas na sala de estar que levavam à adega onde estavam os jovens. A polícia de Drenthe indicou que, face aos relatos iniciais de que se tratava de uma família, o paradeiro da mãe ainda era desconhecido, admitindo-se que possa ter sido enterrada na fazenda.

Ainda temos muitas perguntas sem resposta”, disse a polícia.

Quando a polícia chegou à casa, o homem não cooperou com a polícia — e continua sem o fazer. A quinta, que era arrendada, pertencia, segundo a imprensa holandesa, a Klaas Rooze, o presidente do partido VVD no distrito de De Wolden.

Roger de Groot, autarca da região, garante que o homem não é o pai dos jovens, alguns dos quais não estavam registados. “Não temos palavras para explicar como algo assim aconteceu em nossa casa”, disse a mulher de Klaas Rooze, Alida Rooze, em cujo nome a quinta está registada. “Não sabíamos de nada. Alugámos esta propriedade a uma pessoa durante vários anos, mas agora lemos nos jornais que aparentemente havia um homem com crianças. Não temos ideia de quem ele seja”, acrescenta.