Quarenta anos do trabalho de artes plásticas de Manuel Baptista vai ser alvo de uma exposição que apresentará pontos-chave da sua obra a partir de 31 de outubro no Museu Vieira da Silva, em Lisboa.

De acordo com a programação do museu, esta exposição, com curadoria de João Pinharanda, organizada em parceria com a Fundação Carmona e Costa, vai encerrar o ciclo expositivo de 2019 do Museu Arpad-Szénes Vieira da Silva.

“Manuel Baptista – Sombras e outras cores” apresenta um conjunto de obras em pinturas e volumes pintados entre 1963 e 2002, e ficará patente até 26 de janeiro de 2020.

São 40 anos de produção artística que a escolha do curador João Pinharanda permite agora conhecer, e não se define nem como uma retrospetiva, nem como antologia.

“É uma escolha de momentos-chave da obra de Manuel Baptista através da qual percorremos quatro décadas de trabalho intenso, mas ´joyeux´, experimental, mas rigoroso, diversificado, mas coerente”, de acordo com um texto do museu.

Manuel Baptista nasceu em Faro, em 1936, formou-se na Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde foi brevemente professor, viveu algum tempo em Paris, e também na Alemanha.

Em 2011 apresentou a exposição “Fora de Escala. Desenho e escultura 1960-70”, na Central Tejo, Fundação EDP, onde revelou projetos, até então nunca construídos, de objetos e esculturas dos anos de 1960 e 1970.

O seu trabalho “apresenta uma constante tensão entre construção e acaso, regra e indisciplina, e parte do entendimento unificado que tem do par constituído pela vocação geométrica das formas e volumes e pela expressão livre da natureza”.

Matéria, forma e volume, cor, luz e sombra, são elementos essenciais da sua investigação e aproximação quer à abstração, quer à expressão do mundo exterior.

O público pode assistir às visitas guiadas desta exposição, com a presença do artista e do curador, nos dias 16 de novembro, pelas 16:00 e no dia 07 de janeiro de 2020, pelas 18:00.