O saldo conjunto das balanças corrente e de capital entrou em terreno positivo pela primeira vez este ano, até agosto, atingindo os 685 milhões de euros, longe dos valores alcançados nos primeiros oito meses de 2017 e 2018.

De acordo com os dados divulgados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal (BdP), até agosto de 2019, o saldo conjunto das balanças corrente e de capital fixou-se em 685 milhões de euros, o que compara com 2.717 milhões de euros em igual período de 2018.

Para esta evolução, refere o BdP, contribuíram todas as componentes, à exceção da balança de rendimento primário. A instituição refere que, em termos homólogos, o défice da balança de bens aumentou 1.789 milhões de euros e o excedente da balança de serviços diminuiu 473 milhões de euros. Nos primeiros oito meses do ano, as exportações de bens e serviços cresceram 2% (1,4% nos bens e 3,0% nos serviços) e as importações aumentaram 6% (4,9% nos bens e 10,9% nos serviços).

O défice da balança de rendimento primário diminuiu 526 milhões de euros relativamente ao período homólogo, para -3.000 milhões de euros, numa variação que, segundo o BdP, resultou principalmente da redução dos juros pagos a entidades não residentes.

Até agosto de 2019, o saldo da balança financeira, por sua vez, registou um aumento dos ativos líquidos de Portugal face ao exterior de 1.181 milhões de euros. “É de destacar o aumento de ativos através do investimento do setor bancário residente em dívida pública emitida por países da União Monetária”, refere.

No sentido oposto, acrescenta, verificou-se um aumento de passivos, com o investimento de não residentes em sociedades não financeiras residentes e em obrigações do tesouro emitidas por Portugal. Contrariamente aos restantes bancos, o BdP reduziu ativos externos com o desinvestimento em títulos de dívida, sinaliza ainda o BdP.