436kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Engenho explosivo em Santarém não representava perigo. Rua foi reaberta

Este artigo tem mais de 2 anos

A Rua Adelaide Félix já reabriu ao trânsito. Engenho explosivo estava inerte e não representava perigo. Especialistas vão analisar o objeto para procurar pistas sobre a origem.

Esta é a rua Adelaide Félix em Santarém, onde foi encontrado o engenho explosivo
i

Esta é a rua Adelaide Félix em Santarém, onde foi encontrado o engenho explosivo

Google Maps

Esta é a rua Adelaide Félix em Santarém, onde foi encontrado o engenho explosivo

Google Maps

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O engenho explosivo que obrigou ao corte de uma estrada em Santarém “estava inerte” e “não representava perigo”, contou ao Observador o subcomissário André Neves da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Santarém. O objeto foi recolhido pela Equipa de Inativação de Explosivos, que chegou de Leiria às 19h30. Duas horas depois, o trânsito já tinha sido retomado na rua Adelaide Félix.

O engenho explosivo foi identificado às 17h15 por um agente que trabalhava na região. Quando o avistou, o agente chamou reforços para analisarem o local e montarem um perímetro de segurança. Depois, a esquadra chamou a Equipa de Inativação de Explosivos, que se deslocou de Leiria para Santarém ao final da tarde. A rua esteve fechada durante cerca de quatro horas.

A polícia não sabe precisar o tipo de engenho explosivo, nem a origem dele. Ao Observador, o subcomissário André Neves explica que só as análises que os especialistas vão fazer ao objeto podem revelar pormenores que levem a descobrir mais sobre o apuramento do engenho. Ainda assim, as autoridades continuam sem pistas sobre ele

Aqui em baixo pode ver a localização da rua onde a polícia encontrou o engenho.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.