A cimeira do Grupo dos Sete (G7) do próximo ano, agendada para junho, vai realizar-se numa das propriedades do Presidente norte-americano, um resort com clube de golfe em Miami, noticiam vários meios de comunicação norte-americanos esta quinta-feira.

Donald Trump já tinha admitido a possibilidade de levar a cimeira para um dos seus resorts, no final da anterior reunião do G7, que reúne as maiores economias mundiais, na cidade francesa de Biarritz, desvalorizando eventuais conflitos de interesse. O Washington Post escreve que a decisão do Presidente em escolher um resort do seu grupo privado para acolher um evento internacional desta importância não tem precedente na história recente dos Estados Unidos. E acrescenta que o Trump National Doral resort, perto do aeroporto de Miami, tem sofrido um declínio nos resultados em anos recentes, citando os relatórios da grupo económico de Trump.

Imagem do resort Trump National Doral na Florida

A informação de que o evento ia ter lugar num dos clubes de golfe de Trump foi confirmada esta quinta-feira pelo chefe de gabinete do Presidente, Mick Mulvaney, que defendeu o Trump National Doral Miami como “o melhor lugar” para receber a cimeira, refutando quaisquer conflitos de interesse.

A presidência americana garantiu ainda que o critério de escolha se prende com a proximidade ao aeroporto e a qualidade das instalações. A marca Trump que é gerida por Eric Trump, filho de Donald Trump, assegura que não procura lucrar com o negócio que atrai centenas de diplomatas e jornalistas, além do destaque mundial.

Mick Mulvaney esclareceu ainda que a realização do evento naquele local irá permitir poupar milhões de dólares e que tema das alterações climáticas não consta na agenda de trabalhos da cimeira do G7, marcada para 10 a 12 de junho de 2020.