O treinador Krasimir Balakov deixou esta sexta-feira o cargo de selecionador de futebol da Bulgária, na sequência da goleada (6-0) sofrida na receção à Inglaterra, num jogo de qualificação para o Euro2020 marcado por comportamentos racistas dos adeptos locais.

A Federação Búlgara de Futebol anunciou a saída de Balakov, de 53 anos, antigo jogador do Sporting, que estava à menos de cinco meses no cargo, após uma reunião do Comité Executivo.

Balakov abandona a seleção búlgara quatro dias depois da goleada sofrida em Sófia frente à seleção inglesa, e três dias depois da demissão do presidente da federação, Borislav Mihaylov, também antigo futebolista, que representou o Belenenses.

Na quinta-feira, a Comissão de Disciplina da UEFA anunciou que vai examinar o caso em 28 de outubro, depois de ter aberto um processo disciplinar, que abrange também “o lançamento de objetos, perturbações durante o hino nacional e as repetições no ecrã gigante”.

O encontro de segunda-feira ficou marcado pelos persistentes insultos do público búlgaro a vários jogadores ingleses, entre eles Tyrone Mings, Marcus Rashford e Raheem Sterling, que levaram o árbitro a interromper duas vezes o encontro.