Os militares russos vão instalar na Sérvia o seu mais sofisticado sistema de mísseis antiaéreos no âmbito de manobras militares conjuntas e no primeiro deslocamento do género, referiu esta quinta-feira o Ministério da Defesa da Rússia.

O ministério precisou que os sistemas de longo alcance S-400 e o de curto alcance Pantsyr-S vão integrar o exercício Escudo Eslavo 2019, uma ação de treino conjunta dos militares russos e sérvios para responder a um ataque aéreo. A primeira parte destes “jogos de guerra” decorreu em setembro, numa carreira de tiro no sul da Rússia.

O Presidente sérvio Aleksandar Vucic disse quinta-feira que o sistema S-400 vai regressar à Rússia após o exercício, ao contrário do Pantsyr, que a Sérvia encomendou.

A Rússia tem ajudado a Sérvia na modernização das suas Forças Armadas, suscitando receios numa região da Europa ainda muito instável. No decurso da violenta desagregação da Jugoslávia na década de 1990, a Sérvia esteve em guerra com a vizinha Croácia, na sua antiga província do Kosovo, e também se envolveu no conflito na Bósnia-Herzegovina.

A Sérvia permanece o único aliado assumido da Rússia na região apesar do seu proclamado objetivo de adesão à União Europeia (UE), já recebeu aviões de combate MiG-29 da Rússia e aguarda até finais de 2019 o envio de helicópteros de ataque e transporte, e ainda de tanques. Belgrado tem referido que pretende manter uma atitude neutral e permanecer fora da NATO, e recusou aplicar as sanções ocidentais contra a Rússia devido à situação na Ucrânia.

O analista militar sérvio Aleksandar Radic, citado pela agência noticiosa Associated Press (AP), considerou que a Rússia, ao deslocar para a Sérvia o sistema S-400, está a enviar uma mensagem política ao ocidente e à NATO. “A Rússia pretende sublinhar a sua presença na região e dizer que defenderá o seu bastião europeu”, afirmou Radic. “A Sérvia está nas costas da NATO e isso é muito importante para Moscovo”, acrescentou.

Os mísseis deverão percorrer o espaço aéreo de diversos países vizinhos e Estados-membros da NATO para chegarem à Sérvia, o que decerto implicará algumas questões por parte da aliança ocidental.

Este verão, a Roménia, um país da NATO, proibiu o transporte de veículos armados para a Sérvia através do rio Danúbio. A Rússia decidiu enviá-los por via aérea através do espaço aéreo da Hungria, outro país da NATO, declarando tratar-se de transporte civil.

Desta vez, julga-se que os aviões de transporte russo sobrevoem a Bulgária, outro membro da organização aliada.

A venda do sistema S-400 à Turquia, um Estado-membro da NATO desde 1952, suscitou nos últimos meses uma enorme controvérsia.

Em resposta, Washington retirou a Turquia do seu projeto de avião de combate furtivo F-35, ao considerar que o S-400 pode ser utilizado pela Rússia para recolher informação sobre a tecnologia utilizada no novo aparelho.