Documentos divulgados pelo Buzzfeed provam que Eminem foi interrogado pelos serviços secretos norte-americanos em dezembro de 2017, por causa das letras do álbum Revival, onde teceu “comentários ameaçadores” sobre Donald Trump e a sua família.

rapper tinha dado a entender que tinha recebido uma visita dos serviços secretos na música “The Ringer”. No tema do álbum Kamizake, editado no ano passado, Eminem declarou que “o Agente Laranja” — ou seja, Trump — tinha enviado os serviços secretos para ver se estava realmente a pensar em “magoá-lo” ou se estava “ligado a terroristas”.

[O tema “The Ringer”, de Eminem:]

Na altura, os serviços secretos escusaram-se a comentar se, de facto, tinham feito uma visita a Eminem, o que se veio a confirmar esta semana, depois de o Buzzfeed ter recebido os documentos requeridos no ano passado, quando o site pediu mais informações sobre o caso ao abrigo da lei da liberdade de informação.

Nas mais de 40 páginas recebidas, Eminem é descrito como alguém que exibia um “comportamento inapropriado” e que “ameaçou” o presidente dos Estados Unidos. De acordo com os serviços secretos, não era a primeira vez que o rapper fazia “comentários ameaçadores direcionados ao presidente dos Estados Unidos e à sua família”. Como prova das más intenções de Eminem, era citada uma entrevista dada à Vulture, em dezembro de 2017, na qual o rapper dizia que Trump fazia o seu “sangue ferver”.

[O videoclip de “Framed”:]

Os documentos revelaram também que os serviços secretos foram alertados para o conteúdo das letras do álbum Revival pelo tabloid TMZ, que entrou em contacto com as autoridades para saber se havia alguma investigação aberta por causa dos comentários feitos por Eminem sobre Ivanka Trump no tema “Framed”, do mesmo álbum Revival.