Pallejá é um pequeno ponto no mapa localizado em plena N-II, que corre paralela à auto-estrada A2, próximo de Sant Andreu de la Barca e a 28 km de Barcelona. Poucos sabem onde fica, mas é exactamente aí que está localizada a primeira estação de carga da Ionity em Espanha. Esta rede, suportada pelos fabricantes alemães (VW, BMW, Mercedes), além da Ford e Hyundai/Kia, visa rivalizar com os Superchargers da Tesla.

Os pontos de carregamento da Ionity caracterizam-se por conseguir recarregar a 350 kW, enquanto os postos da Tesla apenas vão conseguir alimentar os seus veículos a 150 kW e, em breve, a 250 kW, no caso dos Model 3. Contudo, as estações da marca norte-americana têm vários postos duplos, entre oito e 12, enquanto o da Ionity, o primeiro na Península Ibérica, apenas possui quatro pontos de carga, sendo que a média varia entre quatro e seis pontos de recarga. O que, com tantas marcas envolvidas, leva a crer que haverá algumas dificuldades em assegurar postos livres à espera dos clientes.

Montado em conjunto com a Cepsa, a petrolífera espanhola que representa a Ionity em Portugal e Espanha, o posto de Pallejá possui quatro pontos de carga, com uma potência total de 1,2 MW, que se assume como o mais potente de Espanha. A Cepsa compromete-se a fornecer 100% de energia renovável aos postos de carga desta que é a mais recente estação da Ionity.

De momento, a Ionity possui 340 estações de carga rápida espalhadas pela Europa, cobrindo 13 países. Estes postos estão abertos ao público, contrastando com os Superchargers americanos, específicos para os clientes da Tesla, mas disponíveis em maior número e igualmente com uma maior quantidade de pontos de carga.

Se Espanha já possui uma estação de recarga da Ionity, Portugal aguarda a inauguração da primeira. Igualmente responsabilidade da Cepsa e da Ionity, pouco se sabe das estações a inaugurar em território nacional, uma vez que do local ao número de postos tudo está ainda (estranhamente) no segredo dos deuses.