O ex-judoca Mário Sabino, que representou as cores do seu país, o Brasil, em duas olimpíadas, foi morto a tiro na passada sexta-feira. Segundo o site brasileiro G1, o atleta — que já tinha deixado a competição e pertencia agora à Polícia Militar (PM) — foi morto por um colega no seguimento de uma discussão.

Sabino, que era cabo da PM e tinha 47 anos, foi encontrado numa rua do bairro Jardim Niceia (em São Paulo) ao lado de outro cadáver, o do sargento Agnaldo Rodrigues. Segundo representantes das autoridades locais os dois ter-se-ão envolvido numa discussão que, apurou o mesmo G1, foi motivada por uma alegada traição. Agnaldo terá visto Sabino dentro de um carro com a sua mulher, também ela da PM.

Os dois terão iniciado um confronto que culminou com o ex-judoca a ser baleado na nuca. As forças policiais que chegaram primeiro ao local do crime suspeitam que Agnaldo terá baleado Sabino, primeiro, e logo de seguida suicidou-se.

Mário Sabino participou nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, e de Atenas, em 2004. Como auxiliar técnico da Seleção Brasileira de Judo participou ainda nos de Londres (2012) e do Rio (2016).

Chegou a ganhar uma medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de 2003, na República Dominicana, e uma de bronze no mundial de Osaka, no Japão, em 2003.