As autoridades indianas continuam no quarto dia de operações para resgatar Sujith Wilson, um bebé de dois anos que caiu dentro de um poço em Tamil Nadu, no sul da Índia. Neste momento, conta a BBC, as equipas de resgate continuam a bombear oxigénio para a criança, que se encontra num poço com 180 metros de profundidade. As várias camadas de lama no poço, no entanto, não permitem avaliar o seu estado de saúde.

Sujith Wilson estava a brincar com outras crianças numa rua perto de sua casa quando caiu dentro de um poço estreito, esta sexta-feira. Inicialmente, a criança estava a uma profundidade de dez metros, mas escorregou e encontra-se agora a 30 metros de profundidade.

À semelhança do que aconteceu durante as operações de resgate de Julen, o bebé de dois anos que caiu num poço em Málaga, as equipas estão a tentar cavar com maquinaria pesada um segundo buraco paralelo ao poço para tentar chegar a Sujith Wilson, uma vez que a tentativa de o resgatar com cordas por dentro do poço falhou. Apesar de não conseguirem perceber o estado de saúde da criança, as autoridades conseguiram ouvir o bebé a respirar, através de uma câmara que foi colocada no interior do buraco.

Esta segunda-feira, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, escreveu uma mensagem no Twitter sobre o caso, afirmando que “está a ser feito todo o esforço para garantir que Sujith está a salvo”. A presença de pedras duras na área estará a dificultar a perfuração deste segundo buraco no local.

Já a mãe de Sujith Wilson, Kalairani, começou a costurar uma espécie de sacola para que esta seja utilizada para trazer a criança à superfície. De acordo com o The New Indian Express, as operações de resgate deverão chegar à fase final dentro de cerca de cinco horas.

Este não é o primeiro caso de uma criança que cai num poço abandonado na Índia. Em junho deste ano, um menino de dois anos morreu depois de ter caído dentro de um poço de 23 centímetros de diâmetro e 33 metros de profundidade. O buraco tinha sido escavado pela sua família para permitir a irrigação dos seus campos, mas estava inutilizado desde 1991. Nessa altura, a população realizou várias manifestações com o objetivo de denunciar o atraso na chegada dos meios de socorro.

Ainda antes, e o caso que foi mais mediático, um menino de dois anos caiu num poço de 110 metros de comprimento e 25 centímetros de diâmetro, em Málaga, Espanha, e ficou lá preso durante 13 dias, tendo sido retirado desse buraco já sem vida. O caso levantou grandes críticas em Espanha à segurança dos vários poços no país que se encontram descobertos.