“Sabíamos há muito tempo que o Homem moderno surgiu em África há cerca de 200 mil anos, mas ignorávamos até agora onde se situava precisamente esta pátria”. Vanessa Hayes, do Instituto Garvan de Investigação Médica de Sydney, foi a autora principal do estudo que esta segunda-feira veio dar resposta a uma dúvida antiga. Agora, já se sabe qual foi o local exato onde o Homem moderno nasceu: ao sul do rio Zambeze, numa área correspondente ao Botswana, Namíbia e Zimbabué, onde o Homo sapiens sapiens viveu há 200.000 anos antes de migrar 70.000 anos mais tarde.

A localização da “pátria ancestral” do Homem moderno é descrita num estudo publicado na revista científica Nature que teve por base a genealogia genética, tendo analisado 200 genomas mitocondriais (marcadores genéticos da linhagem materna) das populações que vivem atualmente na Namíbia e África do Sul, região considerada como um dos berços do Homem moderno.

Os testes de ADN (material genético) revelaram a presença rara da origem materna mais antiga, ainda hoje partilhada por estas populações. Ao compararem os genomas mitocondriais, os cientistas conseguiram isolar um antepassado comum, que era um antigo Khoisan, povo de caçadores-recoletores que subsiste em África. Segundo o estudo, todos os homens que vivem atualmente em África e fora de África partilham este mesmo antepassado.

Os Khoisan, primeira comunidade humana moderna, terão vivido na mesma região durante 70 mil anos, uma vez que o genoma (informação genética) permaneceu inalterado. A comunidade terá prosperado nesta região situada ao sul do rio Zambeze, que partia da atual Namíbia, atravessava o norte do Botswana e seguia até ao Zimbabué.

As diferenças genéticas começam no momento em que começam a migrar”, explica Vanessa Hayes, citada pelo El Mundo, acrescentando: “Há 130 mil anos vemos um primeiro grupo que se desloca para o noroeste,  enquanto 20 mil anos mais tarde há uma segunda divisão, maior, desta vez em direção ao sul.

Atualmente um deserto, chamado Kalahari, a região foi húmida e verdejante há milhares de anos. Análises geológicas e modelos climáticos permitiram concluir que teve um grande lago, duas vezes maior do que o lago Vitoria, na África Oriental.

Com as mudanças climáticas, a região tornou-se mais seca e as populações começaram a migrar em direção ao nordeste e ao sudoeste. As primeiras deslocações abriram caminho à futura migração dos homens modernos para fora de África. Algumas populações, no entanto, adaptaram-se à seca, sendo que os seus descendentes ainda hoje são caçadores-recoletores como os primeiros humanos.