Morrissey utilizou uma camisola onde podia ler-se “Fuck The Guardian”, enquanto atuava em Los Angeles para o último concerto da digressão americana.

A camisola foi mostrada apenas no encore, quando o artista regressou ao palco para tocar o tema “I Won’t Share You” dos seus The Smiths, e estava escondida debaixo do blazer. No final do concerto rasgou a t-shirt e limpou a cara e o peito com ela.

O ódio do músico para com o jornal inglês não é uma coisa recente. Morrissey acusa o The Guardian de fazer  uma campanha de ódio para com ele, desde que o jornal atribuiu ao seu último álbum, California Son, apenas uma estrela e o classificou como “um monte de covers com um espírito de troll”.

Além disso, o jornal tem também atacado o apoio ao partido Islamophobic For Britain [Islamofóbicos pela Grã Bretanha], um partido de extrema-direita cuja fundadora, Anne Marie Waters, Morrissey descreveu como “extremamente inteligente, ferozmente dedicada ao país, muito interessante e também bastante engraçada, por vezes”.

O NME escreve também que durante o concerto o artista adulterou a letra da música “Jackie’s Only Happy When She’s Up On The Stage” onde normalmente se ouve “Everybody is running to the exit” para que se ouvisse em Los Angeles “Everybody is running to the Brexit”.