Mais de 70 deputadas britânicas, de vários partidos, assinaram uma carta aberta a declarar apoio a Meghan Markle, devido ao tratamento “de mau gosto” que dizem estar a ser dado por alguns media à Duquesa de Sussex. A carta foi divulgada na terça-feira e teve entretanto resposta de viva voz, pela própria Meghan Markle, esta quinta-feira.

A iniciativa da carta terá sido iniciativa da deputada trabalhista Holly Lynch, que reuniu mais de 70 assinaturas entre as suas colegas, segundo revela a CNN, citando a parceira britânica ITV. “Como deputadas mulheres de várias inclinações políticas, queremos expressar a nossa solidariedade para com a Duquesa, tomando uma posição contra a natureza muitas vezes de mau gosto e enganadora das histórias publicadas em vários dos nossos jornais nacionais sobre a Duquesa, o seu caráter e a sua família”, pode ler-se na carta, divulgada pela própria Lynch, no Twitter.

As deputadas classificam ainda os artigos sobre Meghan Markle como sendo muitas vezes “uma invasão da sua privacidade” e tratando-se de “tentativas de lançar calúnias sobre o seu caráter”.

Com isto em mente, esperamos que os media nacionais tenham a integridade de saber quando é que uma história é de interesse nacional e quando é que está a tentar deitar abaixo uma mulher sem razão aparente”, pode ler-se na carta.

A deputada que deu a cara pela iniciativa, Holly Lynch, afirmou ainda que, por também ter sido mãe recentemente, entendia as dificuldades pelas quais Meghan poderá estar a passar. E acrescentou que, para além de considerar que há um tom de menorização pelo facto de a Duquesa se tratar de uma mulher, crê que há também laivos de xenofobia e racismo pelo facto de ser norte-americana e de origem africana: “Estou muito preocupada com algumas das narrativas, com alguns dos artigos, que foram incrivelmente sexistas, mas que também [lembraram] que ela não é deste país, que é de outro sítio e que não estamos felizes com isso”, afirmou a trabalhista. “Creio que, no ano em que estamos, tal é inaceitável.”

E eis que a história não se fica por aqui. Dois dias depois, a ITV voltar a dar outra novidade nesta história: que a própria Meghan Markle lhe telefonou para agradecer pessoalmente o gesto. “Recebi um telefonema. Era o Palácio de Buckingham a perguntar-me se estava disponível para falar com a Duquesa de Sussex”, contou a deputada. “Ela estava feliz por ter visto aquela carta”, acrescentou.

A Vanity Fair relembra que não é a primeira vez que deputados se pronunciem publicamente sobre membros da Família Real, embora nem sempre o tom tenha sido tão solidário. A revista recorda que, em 1992, quando a Princesa Diana comprou um Mercedes, alguns deputados criticaram o facto de ter comprado um carro de uma marca estrangeira.

A discussão sobre o tratamento dado pelos media britânicos a Meghan Markle tem-se tornado num debate aceso. A própria confessou recentemente numa entrevista que “quase ninguém” lhe pergunta se está bem e o seu marido, o Príncipe Harry, anunciou que o casal vai processar judicialmente o Mail on Saunday por ter publicado cartas privadas da Duquesa, sem autorização. “Esta ação pode não ser a mais segura, mas é a correta. O meu medo mais profundo é que a História se esteja a repetir”, disse, referindo-se ao caso da sua própria mãe, a Princesa Diana, que também teve uma relação conflituosa com os tabloides britânicos.