Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O número de mortos num incêndio que deflagrou esta quinta-feira num comboio na província de Punjab, no leste do Paquistão, subiu para 71, anunciaram as autoridades paquistanesas. Adnan Shabir, do serviço de emergência distrital, avançou que o número de vítimas será superior, 73.

Um fogão a gás está na origem do fogo, que ocorreu quando alguns passageiros preparavam o pequeno-almoço num comboio em andamento, em violação das normas em vigor, disse o ministro dos Transportes Ferroviários paquistanês, Sheikh Rashid Ahmad. É habitual que os passageiros transportem comida, mas a utilização de fogões a gás é expressamente proibida.

O comboio, o Tezgam, é um dos mais antigos do Paquistão e faz ligações diárias entre as cidades de Rawalpindi, perto de Islamabad, e Karachi. A locomotiva em causa foi desviada do seu percurso habitual para facilitar a deslocação de peregrinos que se dirigiam para Lahore, onde começa esta quinta-feira o Tablighi Ijtema, uma das maiores festividades religiosas do Paquistão, que reúne anualmente cerca de 400 mil pessoas que acampam no local durante vários dias. De acordo com a France-Presse, a maioria das vítimas eram peregrinos oriundos da província de Sindh.

O incêndio provocou, pelo menos, 44 feridos. A ministra da Saúde da província de Punjab, a mais populosa do Paquistão, tinha indicado à France-Presse que o seriams 40 feridos. Segundo Yasmin Rashid, os feridos foram transportados para hospitais na cidade de Bahawalpur e noutras zonas do distrito de Rahim Yar Khan. Apenas oito corpos foram identificados até ao momento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os acidentes de comboio são comuns no Paquistão devido ao mau estado das linhas, provocado por má gestão, falta de investimento e corrupção, aponta a France-Presse. Em julho, pelo menos 23 pessoas morreram também em Punjab, quando um comboio que vinha de Lahore colidiu com um outro de mercadorias que tinha parado num cruzamento.

O primeiro-ministro já pediu a realização de um inquérito às causas do acidente. No Twitter, Imran Khan disse estar “profundamente triste por esta tragédia terrível” e enviou as suas condolências às famílias das vítimas.