O número de mortos num incêndio que deflagrou esta quinta-feira num comboio na província de Punjab, no leste do Paquistão, subiu para 71, anunciaram as autoridades paquistanesas. Adnan Shabir, do serviço de emergência distrital, avançou que o número de vítimas será superior, 73.

Um fogão a gás está na origem do fogo, que ocorreu quando alguns passageiros preparavam o pequeno-almoço num comboio em andamento, em violação das normas em vigor, disse o ministro dos Transportes Ferroviários paquistanês, Sheikh Rashid Ahmad. É habitual que os passageiros transportem comida, mas a utilização de fogões a gás é expressamente proibida.

O comboio, o Tezgam, é um dos mais antigos do Paquistão e faz ligações diárias entre as cidades de Rawalpindi, perto de Islamabad, e Karachi. A locomotiva em causa foi desviada do seu percurso habitual para facilitar a deslocação de peregrinos que se dirigiam para Lahore, onde começa esta quinta-feira o Tablighi Ijtema, uma das maiores festividades religiosas do Paquistão, que reúne anualmente cerca de 400 mil pessoas que acampam no local durante vários dias. De acordo com a France-Presse, a maioria das vítimas eram peregrinos oriundos da província de Sindh.

O incêndio provocou, pelo menos, 44 feridos. A ministra da Saúde da província de Punjab, a mais populosa do Paquistão, tinha indicado à France-Presse que o seriams 40 feridos. Segundo Yasmin Rashid, os feridos foram transportados para hospitais na cidade de Bahawalpur e noutras zonas do distrito de Rahim Yar Khan. Apenas oito corpos foram identificados até ao momento.

Os acidentes de comboio são comuns no Paquistão devido ao mau estado das linhas, provocado por má gestão, falta de investimento e corrupção, aponta a France-Presse. Em julho, pelo menos 23 pessoas morreram também em Punjab, quando um comboio que vinha de Lahore colidiu com um outro de mercadorias que tinha parado num cruzamento.

O primeiro-ministro já pediu a realização de um inquérito às causas do acidente. No Twitter, Imran Khan disse estar “profundamente triste por esta tragédia terrível” e enviou as suas condolências às famílias das vítimas.