O treinador do Sporting de Braga, Ricardo Sá Pinto, disse este sábado que é “fundamental” vencer o Famalicão, no domingo, na décima jornada da I Liga de futebol, para encurtar distâncias para a “sensação” do campeonato. O Sporting de Braga vem de uma derrota no Bessa com o Boavista (2-0) e está a 11 pontos do vizinho Famalicão, terceiro classificado, que venceu na última ronda o Gil Vicente (2-1).

“Prevejo um jogo mais disputado e aberto do que com o Boavista, que meteu o ‘autocarro’. O Famalicão está a fazer um percurso muito bom, é a equipa sensação, tem mobilidade e qualidade, gosta de jogar futebol curto e apoiado e tem uma boa ideia de jogo ofensivo que não é fácil de parar se estiverem inspirados”, avisou.

Sá Pinto comparou mesmo o Famalicão ao Leicester, improvável campeão inglês em 2015/16.

É fundamental ganhar até porque temos uma distância considerável deste adversário. [O Famalicão] Faz lembrar ‘outsiders’ como o Leicester, pensa-se que vão cair, mas não prevejo isso. Não digo que vão lutar por serem campeões, mas podem meter-se naqueles lugares de classificações europeias e, por isso, não podemos descurar estes jogos de confronto direto”, disse.

O técnico frisou que a equipa teve pouco tempo de preparação (jogou na quinta-feira) e disse esperar defrontar “um grande Famalicão”, uma equipa “constituída por jovens de grande talento, do futebol português e não só, que joga bem, sem pressão”, mas notou que este também é um “excelente Braga, que tem feito coisas muito boas”. Ricardo Sá Pinto lembrou que o Braga teve a esmagadora maioria da posse de bola diante do Boavista, mas esse “domínio só é positivo quando se ganham os jogos”.

“De outra forma, ficamos tristes porque vivemos de vitórias. Espero que possamos melhorar sobretudo o último capítulo, o da finalização”, disse. O técnico não colocou o ónus apenas nos avançados, notando que “todos têm a liberdade [de tentar marcar] e todos treinam”.

“Não é por falta de criação de oportunidades, é também pela oposição dos adversários, mas temos que ter mais calma e frieza”, disse. O Sporting de Braga tem apenas menos três golos sofridos do que os marcados (13/10), mas Sá Pinto considera que “o contexto defensivo não é só a linha defensiva, mas toda a equipa”.

“A equipa tem dado pouco em termos defensivos e isso custa porque não somos uma equipa de sofrer muitos golos. Não tem havido grandes oportunidades contra nós, o Boavista fez dois remates na baliza e dois golos, uma grande eficácia, e depois abdicou de jogar, mas a nossa entrada também tem de ser mais concentrada, vai haver sempre cruzamentos e temos de corrigir certas coisas”, disse.

Fábio Martins é ausência certa no Famalicão por estar emprestado pelos bracarenses e Sá Pinto disse que “se tivesse tido a oportunidade [no início da época]” o extremo “não teria saído de certeza”.

“Teria dado a oportunidade de o ver, já gostava muito dele no Chaves, mas não tive essa oportunidade porque o negócio já estava feito”, lamentou.

Sporting de Braga, 10.º classificado, com 11 pontos, e Famalicão, terceiro, com 22, defrontam-se a partir das 20h15 de domingo, no Estádio Municipal de Braga.