A meio da temporada passada, quando chegou ao comando da equipa principal do Benfica, Bruno Lage diferenciou-se porque conseguiu colocar os encarnados a marcar golos. A marcar golos de qualquer forma: de bola parada, de bola corrida, de grande penalidade, através de pontapés de canto, por intermédio de livres, com remates de fora de área ou dentro dela. De repente, o Benfica conseguia marcar golos de qualquer forma e ganhava os golos graças a essa eficácia acima da média.

Essa veia goleadora estagnou ligeiramente esta época, em que o Benfica não tem conseguido fugir às vitórias magras e às exibições sofríveis. Nesta última semana, porém, a equipa de Bruno Lage conseguiu golear o Portimonense e vencer o Rio Ave sem sofrer golos, em jogos que fizeram lembrar o Benfica da temporada passada e que mostraram um grupo que, novamente, consegue fazer golos de qualquer forma. Ainda assim, existe uma forma específica que tem servido para desbloquear as partidas, marcar o primeiro golo e assentar aí a vitória que se segue: de bola parada.

Se contra o Tondela foi Ferro a responder a um canto e a inaugurar o marcador, se contra o Portimonense foi André Almeida a responder a um canto e a inaugurar o marcador, desta vez essa mesma função correspondeu a Rúben Dias, que respondeu a um canto e inaugurou o marcador contra o Rio Ave. O central encarnado, que cumpriu este sábado o 100.º jogo com a camisola do Benfica e chegou aos dez golos da conta pessoal, marcou o nono golo da equipa de bola parada desde o início da temporada e o quarto na sequência de um pontapé de canto.

Na flash interview, Bruno Lage reconheceu a eficácia nas bolas paradas e deixou “uma palavra” a Alexandre Silva e Nélson Veríssimo, os elementos da equipa técnica encarnada que fazem “todo o trabalho de bola parada”. “Foi uma vitória justa, num jogo muito competitivo. Um adversário muito competente que entrou forte e determinado em encontrar espaços nas entre linhas. Depois mudámos a pressão e sentimos que ficámos melhor posicionados. A partir do golo as coisas ficaram a nosso favor e partimos para uma exibição consistente com varias oportunidades de golo. Acima de tudo estou feliz pela boa exibição”, acrescentou o treinador do Benfica.

Já Rúben Dias, que acabou por ser considerado o melhor jogador em campo, revelou que nunca tinha imaginado que iria fazer 100 jogos pelo Benfica. “Estou muito feliz mas acima de tudo pelos três pontos. Estou contente pelo resultado e, fundamentalmente, pela continuidade. A nossa equipa tem de se destacar pela consistência. O futebol não é fácil, mas é o que procuramos fazer no dia a dia. Nem nos meus melhores sonhos pensava fazer 100 jogos pelo Benfica. Fico muito feliz. Marcar um golo fez desse um momento ainda mais especial. Mas amanhã já passou e há que continuar por mais”, concluiu o jovem central, que representa os encarnados desde os infantis.