Aquela que a imprensa espanhola já chamou de “a rainha humilhada”, devido aos alegados casos extraconjugais de Juan Carlos I, celebra este sábado, 2 de novembro, 81 anos. O nome de Sofía, rainha emérita de Espanha, tem estado continuamente colado a escândalos nem sempre por si protagonizados, mas a data agora assinalada surge numa altura em que a família real espanhola parece estar mais perto da reconciliação, pelo menos a julgar por este artigo assinado pelo El País.

Há um ano, recordemos, a família real posava para uma fotografia a propósito dos 80 anos da antiga rainha, um retrato que esteve no centro de mais uma polémica: na imagem, Juan Carlos aparecia visivelmente debilitado — “aleijado” segundo alguns jornais –, sendo que Letízia terá decidido revelar essa imagem como uma forma de vingança. Apesar de a perna direita de Juan Carlos não estar na melhor forma, no retrato surgiam, pela primeira vez em muito tempo, a infanta Cristina, cujo marido está encarcerado por conta do escândalo de corrupção Nóos, e os filhos. O El País escreve que esse foi o melhor presente que Sofía podia ter recebido pelo aniversário.

Retrato de família tirado por ocasião dos 80 anos de Sofía de Espanha

Agora, os 81 anos chegam numa altura em que os tempos mais conturbados parecem estar para trás, inclusive o episódio na missa pascal do ano passado, evento que ficou marcado por uma situação tensa entre Letízia e Sofía, quando esta tentou tirar uma fotografia com as netas e foi impedida pela ex-jornalista — mais tarde, ambas apareceriam em público unidas, cúmplices e a distribuir sorrisos.

Há um ano, o Observador escreveu que quem segue atentamente a vida dos membros da corte espanhola garante que poucos são os elementos da família real que se dão bem. O catalão El Nacional resumia, à data, as divergências de forma curiosa: “No fundo odeiam-se todos: Sofia com Juan Carlos I, Sofia com Letizia, Letizia com Juan Carlos I, Letizia com [a infanta] Cristina, Letizia com Elene e um grande etcetera“.

Apesar das crises mediáticas, Sofía continua a ser um dos membros mais valorizados da casa real espanhola e quem com ela trabalha gaba-lhe a perseverança. Os anos de afastamento entre Sofía e Juan Carlos parecem ter-se esbatido ligeiramente, não que o casal tenha novamente uma vida conjugal, mas os dois têm passado algum tempo juntos e comparecido em eventos sociais, incluindo o casamento de Rafael Nadal e Mery Perelló, que aconteceu a 19 de outubro. Neste verão chegaram até a passar alguns dias na companhia um do outro no palácio de Marivent.

O jornal já citado assegura que a tensão entre a infanta Cristina e os reis de Espanha continua a existir, embora esteja também mais aligeirada, sendo que as visitas da irmã do atual rei a Madrid ter-se-ão normalizado. A infanta nasceu num berço de ouro, mas o casamento com Iñaki Urdangarin distanciou-a da família e levou-a à justiça. Cristina foi absolvida do caso Nóos no começo de 2017, mas o marido acabou por ser condenado a seis anos e três meses de prisão por crimes de prevaricação, desvio de capitais, fraude, tráfico de influência e delitos contra o tesouro.

Recentemente, a princesa Leonor de Espanha estreou-se ao entregar os Prémios Princesa das Astúrias (instituição que preside a título honorário) e ao discursar no mesmo sítio onde o pai, o rei Felipe VI, também se dirigiu ao público pela primeira vez no dia 3 de outubro de 1981, quando tinha os mesmos 13 anos que a filha. Na parte final da intervenção de Leonor houve tempo para um agradecimento emocionado à avó paterna, Sofía: “Ela sabe o importante que é para mim tê-la aqui nesta cerimónia que significa tanto para as Astúrias e para toda a Espanha (…) Este momento será inesquecível para mim e, como disse o meu pai aqui mesmo, quando tinha a minha idade, ‘vou levá-lo para sempre no fundo do meu coração’.”

Para o La Vanguardia, a mãe do rei de Espanha cumpre este sábado 81 anos com o sentimento de dever cumprido.