A casa foi alugada em Orinda, uma cidade pequena, de 19 mil habitantes, perto de Oakland, na Califórnia. Na aplicação do Airbnb, a rapariga que tratou de tudo, estudante universitária, explicou que na quinta-feira, dia 31 de outubro, iria fazer uma pequena reunião familiar, com 12 pessoas, a lotação máxima permitida pelos anfitriões. Em vez disso, acabou a dar uma festa de Halloween, que publicitou nas redes sociais e onde apareceram mais de cem pessoas. Cinco delas morreram na sequência de um tiroteio e várias outras ficaram feridas. As vítimas mortais tinham entre 19 e 29 anos.

Brian Chesky, CEO da empresa, primeiro lamentou os acontecimentos e expressou solidariedade para com as famílias dos mortos e feridos e para com os vizinhos que foram sujeitos ao que tem sido descrito como um verdadeiro cenário de horror. A seguir, já este sábado, anunciou no Twitter que as festas não autorizadas em casas alugadas através da aplicação passam a estar terminantemente proibidas. Também garantiu que a empresa, que deverá entrar em bolsa já em 2020, vai banir os utilizadores que desrespeitem a regra e criar uma equipa para reagir de forma “rápida” a pedidos de ajuda sobre festas em casas.

Quando as autoridades foram chamadas, às 22h50, os proprietários já se tinham apercebido de que, na sua casa, estavam muito mais do que uma dúzia de pessoas. Alertados pelos vizinhos, que se tinham queixado do barulho, tinham enviado uma mensagem à estudante que lhes assegurou que nada de errado se passava, eram apenas 12. “Mas nós temos um Ring, uma câmara na porta, e vimos que eram mais do que isso. Não conseguimos contar, mas parecia muito mais do que isso”, disse o dono da casa, Michael Wang, aos jornalistas.

Nem ele nem os vizinhos, que à imprensa se queixaram de ter vivido uns “primeiros minutos aterrorizantes” podiam imaginar o quadro com que a polícia se iria deparar durante a noite: “Os agentes que atenderam a chamada encontraram uma cena altamente caótica que incluía vítimas de armas de fogo, convivas feridos e inúmeras pessoas a fugir da cena”, citou a Time, a partir do relatório oficial da polícia.

Até agora, as autoridades não divulgaram mais informações sobre o assunto, continuando por apurar o que aconteceu, e também não foi feita qualquer detenção. Entretanto, Gavin Newsom, governador da Califórnia, já exortou o Congresso a aprovar legislação sobre o controlo de armas. “Isto mal vai ser notícia hoje. Eis quão dormentes nos tornámos quando o assunto é este”, acusou. Vários utilizadores do Twitter têm comprovado a insensibilidade, garantindo que, não fosse ter acontecido numa casa alugada no Airbnb, a morte de “apenas” 5 não seria sequer notícia num país de mais de 300 milhões de pessoas.