O arqueólogo Zahi Hawass, ex-ministro das Antiguidades Egípcias, escreveu uma ópera sobre a vida de Tutankhamon para ser levada à cena na abertura do Grande Museu Egípcio, no Cairo, agendada para 2020. Hawass espera encenar a peça também em 2022 na zona oeste do Vale dos Reis, para celebrar os 100 anos da descoberta do túmulo do faraó por Howard Carter.

A peça foi escrita em colaboração com Francesco Santocono e a música composta pelo italiano Lino Zimbone. “Escrevi a ópera, oferecemo-la ao museu para a abertura e eles aceitaram”, revelou Hawass em Londres, onde participou na inauguração da exposição Tutankhamun: Treasures of the Golden Pharaoh, que reúne cerca de 150 artefactos descobertos no túmulo do famoso faraó egípcio, o KV62, no Vale dos Reis.

A ópera não seguirá à letra a vida de Tutankhamon, que morreu quando tinha 19 anos, porque não existe necessidade para tal. “Quando escrevemos o guião para uma ópera, não precisamos de nos colar à história a 100%, porque a história é aborrecida. É preciso puxar pelos sentimentos”, afirmou o ex-ministro egípcio, considerando que a Aida, de Giuseppe Verdi, cuja história se passa no Antigo Egito, é “exaustiva”.

Hawass revelou ainda que uma das cenas será sobre a tentativa de assassinato de Tutankhamon por Nefertiti, mulher do faraó Akhenaton, pai do jovem faraó. “Nefertiti tinha filhas, mas nenhum delas podia ser rainha do Egito. O faraó tinha de ser um homem. (…) Nefertiti estava tão chateada que chamou um sacerdote. Ele disse-lhe que a única coisa a fazer era matar Tutankhamon”, citou o The Art Newspaper.

O Grande Museu Egípcio (GEM, na sigla em inglês) deveria ser inaugurado este ano, mas a abertura foi adiada para 2020. Assim que estiver completado, será o maior museu arqueológico do mundo, reunindo os artefactos que se encontram atualmente no Museu do Cairo, estabelecido em 1902. O novo edifício, um projeto do arquiteto Heneghan Peng que custou cerca de mil milhões de euros, fica localizado no Planalto de Gizé, junto às pirâmides.