“Olá a todos. Como sabem, tudo correu bem. Já estou em casa com a minha família e gostava de agradecer a todos pelo apoio e pela energia positiva”. Numa curta mensagem gravada e difundida através das redes sociais, André Gomes falou pela primeira vez da grave lesão contraída no Everton-Tottenham do último domingo, dando início a um longo período de recuperação após a operação ao tornozelo que correu “extremamente bem”. E essa acabou por ser a grande notícia do dia até que, mais à noite, Son Heung-min entrou em campo.

O internacional sul-coreano, conhecido e descrito por companheiros e adversários como um dos jogadores mais corretos da Premier League, ficou desde logo em choque e a chorar quando viu a gravidade da lesão do português num lance onde fez uma falta “normal” (tanto assim é que o vermelho direto que viu acabou por ser retirado pela Federação Inglesa de Futebol), sendo depois alvo de insultos racistas por parte dos adeptos do Everton. O passar dos dias foi esvaziando o assunto mas Son não esqueceu e voltou a dar o (bom) exemplo.

Depois de marcar na deslocação do Tottenham à Sérvia para defrontar o Estrela Vermelha, o avançado dirigiu-se às câmaras, juntou as mãos e baixou a cabeça, num sinal de pedido de desculpas entendido pela imprensa britânica como uma mensagem para André Gomes depois do infortúnio que sofreu.

Em relação ao jogo, e depois da derrota com o Liverpool e o empate com o Everton, o conjunto londrino orientado por Mauricio Pochettino regressou aos triunfos e logo com uma goleada por 4-0, com golos apontados por Lo Celso (37′), Son (57′ e 61′) e Eriksen (85′). Com a vitória, o Tottenham consolidou o segundo lugar do grupo B com sete pontos, a cinco do Bayern – que apesar da grande exibição de José Sá venceu em Munique o Olympiacos por 2-0 com golos de Lewandowski (69′) e Perisic (89′) – mas com mais quatro do que os sérvios a duas jornadas do fim.