Fernando Santos anunciou esta quinta-feira os convocados para os dois últimos encontros de qualificação para o Campeonato da Europa de 2020, frente a Lituânia (dia 14) e Luxemburgo (dia 17). E as surpresas e/ou regressos concentraram-se todos no ataque, com a chamada de Gonçalo Paciência, o regresso do “herói” do Europeu de 2016 Éder e as apostas em Diogo Jota e André Silva, numa lista que tem ainda Ronaldo, Bruma e Podence.

Nesta fase, Portugal depende apenas de si para garantir o apuramento para o Europeu de 2020, necessitando de duas vitórias frente a Lituânia e Luxemburgo ou, numa espécie de plano B, fazer o mesmo número de pontos da Sérvia, que joga com Luxemburgo (dia 14) e Ucrânia (dia 17). Caso termine na terceira posição do grupo, a Seleção terá ainda a possibilidade de disputar o playoff de acesso à fase final do Campeonato da Europa.

A lista de 25 convocados para os encontros com Lituânia e Luxemburgo é a seguinte (com uma nuance em relação à última, que passou pela colocação de Bernardo Silva nos médios e não nos avançados):

Guarda-redes: Rui Patrício (Wolverhampton), Beto (Goztepe) e José Sá (Olympiacos);

Defesas: Nelson Semedo (Barcelona), Ricardo Pereira (Leicester), José Fonte (Lille), Pepe (FC Porto), Rúben Dias (Benfica), Rúben Semedo (Olympiacos), Mário Rui (Nápoles) e Raphael Guerreiro (B. Dortmund);

Médios: Danilo Pereira (FC Porto), Rúben Neves (Wolverhampton), Bruno Fernandes (Sporting), Bernardo Silva (Manchester City), João Mário (Lokomotiv Moscovo), João Moutinho (Wolverhampton) e Pizzi (Benfica);

Avançados: Bruma (PSV), Podence (Olympiacos), André Silva (Eintracht Frankfurt), Jota (Wolverhampton), Éder (Lokomotiv Moscovo), Gonçalo Paciência (Eintracht Frankfurt) e Cristiano Ronaldo (Juventus).

“Tantos avançados, Gonçalo Paciência, os tais ‘9’? Estamos a falar de um futebol que já não existe. Aquilo que considerava e considero tem a ver com um jogador fixo, que se situa só nessa área. Na minha altura chamava-se a esses jogadores os ‘pontas de mama’ e jogadores como esses, hoje em dia, o futebol não utiliza – o que não quer dizer que não haja avançados com características mais próximas disso. Em Portugal, lembro-me do Rui Águas, do Fernando Gomes e depois tinha de recuar um bocado para encontrar jogadores com essas características. O Pauleta era um jogador que jogava no tal ‘9’, mas não tinha essas características. O Domingos não era igual ao Jardel, esse sim um ‘ponta de lança de mama, claro’. O Nuno Gomes também não tinha essas características. Portugal tem jogado sempre com avançados, o Ronaldo também pode ser um avançado nesse sentido, mas não se situam só nesse espaço do campo. O Gonçalo [Paciência], o André [Silva] e o Éder têm mais essas características mas eles nunca jogam sozinhos nos seus clubes. Aqui não há a questão do ‘9’”, explicou Fernando Santos.

O selecionador explicou também que não terá muito tempo de preparação para os dois encontros, o primeiro já na próxima quinta-feira no Estádio do Algarve, deixou uma mensagem de apoio a André Gomes depois da grave lesão sofrida no tornozelo e revelou a aposta num ataque dinâmico para os últimos jogos de apuramento. “A estratégia para estes dois jogos? Ganhar. Vamos estar no Campeonato da Europa 2020″, resumiu.