Para recuperar do enorme atraso face à concorrência, na concepção e desenvolvimento de automóveis eléctricos, a Ford decidiu adquirir a plataforma MEB à sua rival Volkswagen, que a maioria das marcas do grupo alemão vai usar para construir os seus modelos a bateria. Daí a surpresa gerada pelo facto de o construtor americano expor no SEMA, a feira de acessórios e veículos especiais que anualmente é organizada em Las Vegas, um protótipo eléctrico do Mustang com uma potência brutal.

Denominado Ford Mustang Lithium, o veículo herda tudo dos Mustang mais possantes, à excepção do motor V8, que cede o seu lugar sob o capot dianteiro a um imponente motor eléctrico de 900 cv. Mas é exactamente aqui que começam as opções estranhas do fabricante pois, ao que tudo indica, o motor eléctrico ocupa literalmente o espaço do V8, em vez de estar acoplado ao eixo traseiro ou, numa opção mais inteligente para este nível de potência, dividindo a potência pelos dois eixos, colocando um motor à frente e outro atrás para melhor distribuir peso e tracção.

A colocação do motor EV à frente, em posição longitudinal, justifica-se por ser a opção mais simples e barata, tipicamente o trabalho que qualquer oficina com um mínimo de experiência poderia fazer para um cliente que quisesse electrificar um velho Mustang. O motor eléctrico é assim acoplado à caixa de velocidades, criando o único automóvel eléctrico produzido por um fabricante com transmissão manual. Ou seja, um motor que gira a 20.000 rotações por minuto pode seleccionar uma mudança para andar para trás e uma entre seis possíveis para andar para a frente, de que obviamente não precisa, sobretudo numa caixa que será lenta de manusear e ainda a necessitar de embraiagem, outra opção patética num eléctrico moderno. Ao que parece, a opção de avançar para uma caixa manual, uma Getrag MT82, deve-se ao facto de as opções automáticas não suportarem os 1.355 Nm de torque assegurados pelo motor.

Segundo o comunicado de imprensa, o Mustang eléctrico foi concebido pela Ford e a Webasto, a quem coube fornecer um sistema eléctrico a 800V, sem contudo mencionar a capacidade da bateria. A Ford admite que estas experiências servem para a marca ganhar alguma experiência no sistema de gestão de energia, o que nos parece algo optimista.

A Ford anuncia ainda que vai investir 11,5 mil milhões de dólares para fabricar uma série de veículos eléctricos até 2022, entre os quais figuram um SUV inspirado no Mustang e uma pick-up tipo F150.