O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, advertiu esta segunda-feira os chefes de Estado da Venezuela, Nicolas Maduro, e da Nicarágua, Daniel Ortega, que a demissão do homólogo da Bolívia, Evo Morales, é um sinal para eles.

“Estes acontecimentos lançam um forte sinal aos regimes ilegítimos na Venezuela e no Nicarágua de que a democracia e a vontade do povo sempre prevalecem”, é referido num comunicado de Donald Trump.

No domingo, o Presidente da República da Bolívia renunciou ao cargo, após quase 14 anos no poder, numa declaração transmitida pela televisão do país. “Estou a renunciar para que os meus irmãos não sejam ameaçados. Lamento muito este golpe civil”, afirmou.

Evo Morales, de 60 anos, demitiu-se depois de os chefes das Forças Armadas e da polícia da Bolívia terem exigido que abandonasse o cargo para que a estabilidade e a paz possam regressar ao país.

Numa curta declaração ao país, o socialista Evo Morales explicou que a renúncia acontece por culpa de Carlos Mesa, ex-Presidente da Bolívia, e de Luis Fernando Camacho, presidente do Comité Cívico de Santa Cruz.

“Decidi esta demissão para que Mesa e Camacho deixem de perseguir os meus irmãos, os dirigentes sindicais […]. Para que não continuem a queimar casas. Para que não continuem a sequestrar dirigentes sindicais e a prejudicar as pessoas mais humildades”, realçou o presidente cessante, salientando, contudo, que a luta ainda não acabou e que a sua obrigação “como presidente indígena e de todos os bolivianos é encontrar a pacificação do país”.

A Bolívia atravessa uma crise social e política desde o dia seguinte às eleições. Antes do anúncio de que renunciava ao cargo de Presidente, Evo Morales tinha convocado novas eleições após a Organização dos Estados Americanos (OEA) ter recomendado a repetição do ato eleitoral por suspeitas de irregularidades no dia 20 de outubro. Dois ministros e o presidente da Assembleia Nacional, Victor Borda, tinham também já renunciado aos seus cargos.

Após as demissões no governo, também a presidente do Tribunal Supremo Eleitoral, Maria Eugenia Choque Quispe, apresentou a sua renúncia “irrevogável” para ser “investigada”, na sequência do relatório da OEA.

O Ministério Público da Bolívia anunciou, também no domingo, que vai processar os membros do Supremo Tribunal Eleitoral devido a irregularidades “muito graves” detetadas pela OEA, que podem levar a “erros criminais e eleitorais relacionados com o cálculo dos resultados oficiais” das eleições de 20 de outubro.

Os Estados Unidos e a União Europeia apoiaram a convocação de novas eleições presidenciais na Bolívia.