Claudio Caniggia, ex-jogador do Benfica na década de 90, foi formalmente acusado de abuso sexual pela mulher, Mariana Nannis — juntos há mais de 30 anos, o casal ainda não está divorciado. A imprensa argentina dá conta de que a queixa foi apresentada na passada sexta-feira.

A mãe de três filhos — escreve o Diario Clarín, o jornal de maior circulação da Argentina — pediu aos juízes que iniciem uma investigação criminal tendo em conta as alegações que já antes fez num programa de televisão, onde afirmou que foi agredida pelo marido e, como consequência, sofreu um aborto espontâneo. As alegações, segundo o jornal, foram todas negadas pelo ex-jogador.

As alegações chocantes de Nannis não são novas e saíram a público pela primeira vez em agosto, no decorrer de uma entrevista televisiva. A mulher do internacional argentino de 52 anos alega que foi vítima de violência física e verbal durante a relação de mais de 30 anos e que sofreu um aborto aos dois meses e meio de gravidez quando foi empurrada contra um carro na sequência de uma discussão conjugal.

“Hoje teria um filho de 12 anos. Ele matou o meu filho por um pacote de cocaína. Ele não se preocupou com o facto de eu estar grávida de dois meses e meio”, continuou, referindo-se à vez em que tentou impedir o marido de entrar em casa.

Mariana Nannis acusou ainda o ex-futebolista, num subsequente programa de televisão, de chegar a casa nas primeiras horas da manhã e de agredi-la por ela não querer fazer sexo. A mãe de três descreveu ainda a noiva de Caniggia, Sofia Bonelli, de 26 anos, de ser uma “prostituta” viciada em droga.

O jogador veio dizer publicamente que está triste por a relação com Nannis terminar com este “espetáculo grotesco”, do qual diz não querer fazer parte.

Jogador do Benfica nos anos 90, Claudio Caniggia ganhou destaque depois de ter levado um cartão vermelho no Benfica-Sporting, polémico dérbi lisboeta na temporada de 1994-95 que foi repetido e depois anulado.