O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebe esta quarta-feira na Casa Branca o seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, naquele que é o primeiro encontro após a ofensiva turca lançada a 9 de outubro na Síria.

O encontro entre os dois chefes de Estado ocorre logo depois do encerramento de um novo capítulo de tensões entre Ancara e Washington, após a entrada de tropas turcas no nordeste da Síria contra os curdos.

Trump anunciou sanções económicas contra a Turquia pela ofensiva no nordeste da Síria em meados de outubro e disse que “acabaria com a economia turca” se os curdos, aliados tradicionais dos EUA, fossem afetados.

Trump suspende negociações comerciais com a Turquia e vai emitir ordem para sancionar as autoridades turcas

Poucos dias depois, no entanto, o Presidente ordenou o levantamento das sanções impostas contra três ministros turcos, após chegar a um acordo em que a Turquia declarou um cessar-fogo permanente e a criação de uma “zona de segurança” na fronteira turco-síria.

Antes de partir para Washington, o Presidente turco acusou na terça-feira os Estados Unidos de não terem cumprido totalmente o compromisso de retirar as forças curdas do nordeste da Síria.

Presidente da República turco diz que EUA não cumpriram totalmente os seus compromissos na Síria

“Vou dizer ao Presidente (Donald Trump), com provas documentais, que o acordo a que chegámos (na Síria) não foi totalmente respeitado”, disse Recep Tayyip Erdogan, numa conferência de imprensa no aeroporto de Ancara.

A compra de armas russas pela Turquia também será um dos assuntos da reunião desta quarta-feira entre os dois presidentes. No domingo, o conselheiro de Segurança Nacional norte-americano, Robert O’Brien, admitiu estar “muito chateado” com a compra de armas russas pela Turquia. O’Brien disse que, se a Turquia não se livrar do sistema de mísseis russo S-400, “provavelmente haverá sanções”.

Em 29 de outubro, a Câmara dos Deputados dos EUA aprovou, com apoio bipartidário, mais sanções contra o governo turco e as suas Forças Armadas pela ofensiva realizada no nordeste da Síria no início de outubro.

Se for aprovada pelo Senado e posteriormente ratificada pelo Presidente dos EUA, Donald Trump, a medida sancionará os funcionários turcos envolvidos na ofensiva turca e os bancos associados à Defesa do país até Ancara terminar as operações militares na Síria.

Além disso, o projeto de resolução ordena à Casa Branca a imposição de sanções adicionais à Turquia pela compra de sistemas de mísseis S-400 fabricados na Rússia e proíbe a exportação de armas dos EUA para o exército turco.