A notícia é avançada pelo The Sun. Segundo uma fonte do tabloide britânico, Meghan e Harry terão tomado a decisão de não passar este Natal, o primeiro do bebé Archie, com o resto da realeza, quebrando a tradição de reunir toda a família em torno da Rainha, em Sandringham.

Os planos de se retirarem e de uma eventual viagem aos Estados Unidos para passarem o Dia de Ação de Graças (dia 28 de novembro) com Doria Ragland, a mãe de Meghan, já eram conhecidos. A imprensa britânica fala de uma pausa de seis semanas na agenda de compromissos oficiais e faz ainda referência ao facto de a aparição do último domingo, a propósito do Remembrance Day, poder ter sido a última até ao Natal.

Agora, corre o rumor de que o casal poderá não se juntar à restante família de Harry para as celebrações natalícias, tal como manda a tradição. “Eles precisam de se afastar durante um tempo e de decidir quais os planos para o próximo ano”, indicou uma fonte do The Sun, que refere ainda que os duques de Sussex precisaram de “recarregar baterias”.

A especulação abre lugar para dois cenários: Meghan e Harry poderão prolongar a sua estadia nos Estados Unidos e assim passar o Natal a centenas de quilómetros de casa, ou simplesmente regressar ao Reino Unido e optar por assinalar a quadra num registo mais íntimo.

A possibilidade de uma ausência do casal durante as celebrações natalícias da família real britânica — que inclui, impreterivelmente, a missa no Dia de Natal — pode ser um rude golpe numa relação que poderá já estar fragilizada. Em setembro deste ano, o casal terá faltado à reunião familiar em Balmoral. Nessa mesma data, Meghan voou para os Estados Unidos para marcar presença no US Open, em Nova Iorque.

Em outubro, os alicerces da família terão voltado a ser abalados, desta vez com a transmissão do documentário “Harry and Meghan: An African Journey”. No programa, conduzido pelo jornalista John Bradby e que acompanhou os duques de Sussex durante a visita ao continente africano, ecoaram as declarações de Harry sobre a relação com o irmão — “Estamos em caminhos diferentes, mas vou estar sempre lá para ele” — e as de Meghan sobre a adaptação ao novo país — “Eu tentei mesmo adotar esta inabalável sensibilidade britânica. Mas agora acredito que o efeito disso, cá dentro, é realmente destruidor”.