A família da mãe do recém-nascido que foi abandonado no ecoponto amarelo, em Santa Apolónia, Lisboa, mostraram interesse em ficar com a guarda do bebé, avança o Expresso.

De acordo com o semanário, que cita fonte oficial, mas não identificada, a família da cabo-verdiana tem feito contactos com as entidades consulares em Portugal, bem como com instituições governamentais de Cabo Verde e estarão dispostos a usar todos os instrumentos legais ao dispor para conseguir ficar com a guarda do menino abandonado no lixo no dia 5 de novembro.

Mas a decisão será tomada pelos tribunais portugueses e até lá o bebé deverá ser entregue a uma família de acolhimento.

Na sexta-feira, numa entrevista recuperada pela TVI — feita há dois meses — a mãe do bebé afirmava que um dos seus maiores sonhos era poder voltar a Cabo Verde e cuidar da sua mãe, assumindo à data que era demasiado nova para estar a viver numa situação de sem-abrigo.

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o pedido de habeas corpus para a libertação da jovem. O acórdão refere que Sara premeditou o crime: além de ocultar a gravidez, levou um saco de plástico na altura do parte para depositar o recém-nascido e “o material biológico proveniente do parte”, que atirou para um ecoponto. Horas mais tarde, voltou a passar pelo local onde deixou o bebé, chegou a visualizar o  filho, “mas nada disse com medo que o companheiro se apercebesse e insistiu com este para que se fossem embora, o que acabou por acontecer”.