Os Verdes alemães, reunidos em congresso em Bielefeld, reelegeram hoje para a sua liderança a dupla formada por Annalena Baerbock e Robert Habeck e afirmaram a ambição de se posicionar como partido de governo.

Candidatos únicos, Baerbock obteve 97,1% dos votos dos cerca de 800 delegados presentes e Habeck conseguiu 90,4%. Baerbock deu um salto significativo, depois de ter tido 65% dos votos na sua primeira eleição no congresso de janeiro de 2018 em Hanôver.

Desde então, a dupla fez subir o partido dos Verdes até aos 20% ou mais nas intenções de voto nas sondagens e conseguiu o aumento dos resultados em várias eleições regionais e nas europeias.

Agora, o partido pretende ter mais peso na política: “isto dá-nos um novo papel”, declarou hoje uma das figuras do partido, Winfried Kretschmann, que preside desde 2016 à região de Bade-Wurtemberg, citado pela agência noticiosa alemã DPA. Já não se trata de “ajudar a fazer, mas também de codirigir”, adiantou.

A questão de designar uma ou um cabeça de lista ou mesmo uma ou um candidato à chefia do governo nas próximas eleições legislativas não deve ainda ficar decidida.

A escolha deverá ficar entre Habeck, popular doutorado em filosofia com 49 anos, e Baerbock, 10 anos mais nova e que conseguiu unir diferentes tendências no partido ecologista, conhecido pelas suas crónicas disputas internas. Ambos são da corrente centrista e moderada. Impulsionado pela luta contra o aquecimento global, o partido deve alargar a sua oferta política se quiser estar em posição de governar, refere a agência France Presse.

O congresso de Bielefeld teve no centro dos debates os temas da habitação e da economia.