Quando, em fevereiro deste ano, a GNR de Penafiel realizou buscas à casa de um homem de 70 anos investigado por suspeitas de violência doméstica, encontrou várias armas para as quais não tinha licença. O septuagenário acabou por ser detido, mas a caminho do posto da GNR tentou subornar um militar com uma quantia entre os 20 mil e os 30 mil euros, conta o Jornal de Notícias (versão em papel).

Sr. Sargento, comigo resolve-se tudo. Vamos ter uma conversinha de homem para homem. O senhor deixa-me ir, vai comigo a minha casa e eu dou-lhe o dinheiro que viu no cofre“, lê-se na sentença.

Esta tentativa de suborno acabou por ser denunciada pelos militares que o acompanhavam e valeu-lhe uma condenação no Tribunal de Amarante de 26 meses de pena suspensa por um crime de corrupção ativa. Em sede de julgamento, alegou que nunca tentou subornar o militar e explicou que o que aconteceu foi um simples desabafo de quem queria voltar para casa.

O homem conseguiu evitar a prisão efetiva, mas terá de cumprir um plano individual de readaptação social. O septuagenário foi ainda condenado a pagamento de uma multa de 1600 euros por estar na posse de uma pistola, uma espingarda de ar comprimido e dezenas de munições, sem ter licença para as ter. O militar da GNR a que o homem ofereceu dinheiro pediu também uma indemnização de 1500 euros. No entanto, os juízes não consideraram que o caso tenha atingido o seu brio profissional e bom nome.

Homem foi absolvido por violência doméstica. Silêncio de alegada vítima impediu que crime fosse provado

O septuagenário foi no entanto absolvido do crime de violência doméstica de que era acusado. A mulher e alegada vítima, com quem está casado desde 1973, manteve-se em silêncio no julgamento — impedindo assim que o crime fosse dado como provado.

De acordo com a acusação do Ministério Público, citada pelo Jornal de Notícias, a mulher seria alvo de insultos e ameaças — muitas delas com recurso às armas que o marido tinha em sua posse, embora sem licença. Foram estas alegadas agressões que começaram a ser investigadas no início de 2018 e que levaram a que fosse detido em fevereiro desse ano.