O chef britânico Gordon Ramsay juntou-se a um fundo de investimento que atua na América do Norte para abrir 100 novos restaurantes nos EUA até 2024.

Segundo a revista Forbes, a Lion Capital é a empresa que assinou contrato com o infame Ramsay e que, a partir de agora, detêm 50% da Gordon Ramsay North America, ficando os outros 50% na carteira do chef. O fundo estipulou que vai investir cerca de 100 milhões de dólares nessas novas aberturas que, tudo indica, vão aumentar ainda mais o império do britânico. A Lion Capital está por trás do crescimento de marcas como a cadeia de restauração Wagamama, as batatas-fritas Kettle e a Jimmy Choo.

“Apaixonei-me por este país há 20 anos. Aqui há querer. O meu objetivo, neste momento, é criar uma das mais entusiasmantes marcas de gastronomia dos EUA”, contou Ramsay à revista norte-americana. “Por ser um obcecado pelo controlo precisava do parceiro certo para alinhar nesta aventura. Muitos não gostam desse “estrangulamento”. Para mim, a parceria foi essencial.”

Neste momento, Ramsey tem oito restaurantes entre as cidades de Las Vegas, Atlantic City e Baltimore, todos eles nasceram de um negócio em parceria com a Ceasers Entertainment (o colosso dos casinos). Esse grupo é composto por três conceitos: o Gordon Ramsay Steak , Gordon Ramsay Pub & Grill, Gordon Ramsay Fish & Chips (que gera diariamente, em média, 20 mil dólares em fish & chips)

“Las Vegas foi uma plataforma extraordinária. Toda a gente acha que só serve para festa e espetáculos mas na verdade é uma das mais respeitadas capitais gastronómicas do mundo. Se não acertas com um negócio lá à primeira, não há segundas tentativas”, contou o chef.

O acordo em questão prevê a introdução no mercado norte-americano de dois novos conceitos, a Gordon Ramsay Street Pizza e a Gordon Ramsay Bread Street Kitchen — este último que já vingou em sítios como Londres, Hong Kong, Dubai e Singapura.

O empresário (já o é mais do que cozinheiro, na verdade) que no ano passado registou como lucro pessoal 62 milhões de dólares e que só em Londres tem 15 restaurantes (estes não estão envolvidos no negócio da Lion Capital) afirma não ter medo que lhe aconteça o mesmo que há uns meses aconteceu a outro colega do Reino Unido, Jamie Oliver — que teve de encerrar 22 restaurantes na Grã-Bretanha por culpa de gravíssimos problemas financeiros.  

“O mercado de lá está demasiado saturado e precisas de ter muito cuidado com uma expansão desse tamanho. É  péssima vê-lo [Oliver] na posição em que se meteu, mas é isso que acontece quando tens um gigante em mãos que saiu do teu controlo — o exato oposto daquilo quero fazer. Esperei pacientemente a aprender com os erros dos outros”, rematou o chef Gordon Ramsay.