A Federação Nacional das Associações Juvenis (FNAJ) quer que os orçamentos municipais e o do Estado incluam medidas para a juventude, desafio presente no 17.º Encontro Nacional que se realizará sábado e domingo em Vila Nova de Gaia.

“Os municípios são as entidades mais próximas dos jovens, são quem pode de imediato dar uma resposta mais eficaz. E também é uma prioridade da FNAJ que a ação governativa do Estado central tenha como eixo a juventude, visto que os jovens são transversais a várias áreas. É nosso objetivo desafiá-los e instigá-los a que façam parceiras das associações de jovens”, referiu o presidente da FNAJ, Tiago Manuel Rego. O dirigente, que falava à agência Lusa, a propósito do 17.º Encontro Nacional das Associações Juvenis que se realiza pela primeira vez em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, no próximo fim de semana, considerou que o momento atual é “fulcral” para esta estratégia e abordagem, porque “é uma fase em que tanto municípios como Estado estão a definir planos e orçamentos”.

Com o lema “investir na juventude é investir no presente e no futuro”, a FNAJ, que representa 1.200 associações em Portugal, quer que “as políticas de juventude sejam concertadas com os jovens através de mecanismos de codecisão”, lembrando que “sem os jovens muitas regiões do país passarão grandes dificuldades no futuro”. “O pensamento político para a juventude é completamente desfasado daquilo que são os apoios dados à juventude. É preciso que, na relação de confiança que se cria entre o Estado e os jovens, haja uma mão cheia de ideias, mas também uma mão cheia de ações”, acrescentou Tiago Manuel Rego que mostrou “preocupação com o afastamento dos jovens da política”.

No sábado, no encontro nacional, será lançada a Rede Nacional de Municípios Amigos da Juventude, plataforma que arrancará com 45 autarquias. Nota da FNAJ indica que, entre os municípios que manifestaram disponibilidade para integrar esta rede nacional, incluem-se o Porto, Vila Nova de Gaia, Coimbra, Cascais, Viana do Castelo, S. Pedro do Sul, Arouca e Funchal. “O objetivo é alargar a todos os outros concelhos que, no território nacional, pretendam desenvolver ou implementar estratégias efetivas de apoio aos cidadãos mais jovens. A base de trabalho é o Plano Nacional que não é nada revolucionário, mas é um documento pioneiro e único para as políticas locais de juventude”, descreveu o presidente da FNAJ.

Este documento foi elaborado ao longo das nove Cimeiras do Associativismo e Juventude, sete regionais, uma nacional e uma internacional, realizadas por esta federação desde 2017. “O presente esforço no sentido da concertação de estratégias municipais de juventude também ajudará a responder aos ‘Youth Goals’, que refletem a visão dos jovens europeus, e aos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável identificados pela Organização das Nações Unidas (ONU) como eixos de ação primordial na execução dessas políticas”, acrescentou Tiago Manuel Rego, falando da importância de Portugal estar conciliado com as “estratégias europeias e mundiais de políticas de juventude”.

Já nota da Câmara de Vila Nova de Gaia indica que o 17.º Encontro Nacional das Associações Juvenis conta com a inscrição de mais de nove centenas de participantes provenientes de Portugal, S. Tomé e Príncipe, Guiné, Espanha, Bélgica, França, Itália, Grécia e Irlanda. “Para uma cidade que aspira a ser a Capital Europeia da Juventude em 2024, receber este encontro reveste-se de uma vital importância. Temos trabalhado para valorizar os direitos e a voz dos jovens e criar condições e oportunidades para que participem ativamente no desenvolvimento de Gaia”, afirma, a propósito, o presidente da autarquia anfitriã, Eduardo Vítor Rodrigues.

O encontro vai decorrer no Pavilhão Desportivo Municipal de Vila Nova de Gaia com conferências, debates, momentos musicais, mostra de boas práticas, entre outras ações, que serão acompanhadas por um tradutor de língua gestual portuguesa.