A WeWork, empresa norte-americana de trabalho em espaços partilhados, anunciou esta quinta-feira o fim de cerca de 2.400 postos de trabalho em todo o mundo, cerca de 20% do seu número total de colaboradores.

“No âmbito da nossa estratégia para reorientar o negócio principal da WeWork, e como partilhamos anteriormente com os [nossos] funcionários, a empresa está a proceder às demissões necessárias para criar uma organização mais eficiente”, disse um porta-voz, citado pela agência France Presse.

O plano começou “há semanas em algumas partes do mundo e continuou esta semana nos Estados Unidos. Esta redução afeta cerca de 2.400 funcionários em todo o mundo”, acrescentou.

Segundo a mesma fonte, aqueles trabalhadores receberão indemnizações, benefícios e outras formas de apoio para os ajudar a encontrar outro emprego. “São profissionais incrivelmente talentosos e agradecemos o papel importante que desempenharam na construção da WeWork na última década”, referiu também o porta-voz.

A WeWork falhou recentemente uma tentativa de lançamento de uma Oferta Pública Inicial (IPO), tendo em vista a entrada na bolsa de Nova Iorque, e está atualmente numa situação financeira difícil. Os prejuízos duplicaram no ano passado para 1,9 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros).

Em 23 de outubro, o japonês Softbank anunciou uma injeção de 9,5 mil milhões de dólares (cerca de 8,6 mil milhões de euros) na WeWork, passando a controlar 80% do seu capital.